Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Capa do livro

por António Tavares, em 21.01.18

Maria Clara, esta vai ser a capa do teu livro...

Um beijo grande do teu avô bigodes, mesmo não estando ao pé de ti no dia em que fazes 1 ano de vida. Foste uma vencedora.

Avô Bigodes3.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

Epílogo

por António Tavares, em 21.01.18

Epílogo

Permito-me reproduzir aqui as palavras que José Gonçalez (poeta alentejano, radialista e fadista) canta num fado:

……………………………………….

Quando eu olhar para trás quero sentir

Que sempre fui capaz de permitir

Que aqueles que de mim quiseram bem

Tiveram o melhor que pude dar

Sabendo eu que recebi também

O melhor que tinham para me dar!

………………………………………….

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59

Primeiro ano da minha neta

por António Tavares, em 21.01.18

Primeiro ano da minha neta

Maria Clara. Fazes hoje um ano. Sempre quis escrever as minhas memórias e recordações. Mas foi o teu nascimento, há um ano atrás, que me motivou a começar. Temi que não tivesse tempo para tas contar pessoalmente. Tinha que as deixar escritas. Hoje, passado um ano, dou por terminada esta aventura. Espero ainda ter tempo para brincarmos os dois. E contar-te mais histórias de que me for lembrando. Como aquela que agora me veio à memória.

Estávamos em Nampula e todas as sextas-feiras era dia de limpeza na oficina mecânica de que eu era o responsável. Os carros que estavam a reparar vinham para a rua. O chão era lavado. Procedia-se à limpeza geral.

A um canto da oficina existia a ferramentaria. Os mecânicos levantavam no início do dia as ferramentas necessárias e tinham que as entregar no final do dia. Naquela sexta-feira de limpeza o ferramenteiro procedia, em tronco nu, à lavagem, com gasolina, de todas as ferramentas. Sem que ninguém se apercebesse os vapores da gasolina foram-se espalhando pelo chão da oficina e chegaram a um maçarico que um mecânico operava num canto bem longe dali, para uma reparação urgente.

Deu-se a explosão. O ferramenteiro dizia depois que se viu todo envolto em chamas. Conseguiu abrir a porta. Tirou os calções que ainda ardiam. Nem um pelo se via no corpo dele. Veio a emergência. Foi evacuado para o hospital que até ficava perto. Queimaduras em todo o corpo. Evacuado para a capital (Lourenço Marques). Evacuado depois para Lisboa. Soubemos algum tempo mais que não resistira. E era de Proença-A-Nova, ali para os lados de Cardigos.

Meus filhos e minha neta. Era isto que vos queria deixar escrito. Façam destas palavras o uso que bem entenderem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:57

Primeiro Natal da Maria Clara

por António Tavares, em 27.12.17

Primeiro Natal da Maria Clara

Este foi o teu primeiro Natal no meio de nós. Acabaste de fazer 11 meses. Estiveste como sempre risonha, bem-disposta, sem chorar nem fazer birras.

Na Casa da Paria estavas tu e os teus pais. Os teus avós de Lisboa e o teu avô da Guarda. Os teus tios de Lisboa e o Torps. O teu pai fez qualquer brincadeira contigo e com o Torps que ele não gostou muito. Ainda te ladrou. Mas sabes, como tu agora és o centro das atenções e ele é um ciumento do caraças, não gostou muito da brincadeira. Mas deixa que isso passa-lhe. Quando tu andares e puderes brincar com ele vais ver que ele vai gostar de ti.

O teu avô faz pela 40ª vez as filhoses de Natal.

Ninguém me ensinou a fazê-las. Via a minha mãe a fazê-las e fixei na memória. Quando me casei, em 1975, comecei a faze-las todos os anos. Neste, ainda por cima com a tua presença, não podia fugir à regra.

O teu tio Tiago pediu-me que não me esquecesse de escrever a receita. Há muita maneira de fazer filhoses. Eu faço assim:

Ingredientes:

2 Quilos de farinha 65

2 Saquetas de fermento do padeiro

10 Decilitros de leite morno

Raspa e sumo de uma laranja

Meio quilo de abóbora cozida e esmagada

1 Cálice generoso de vinho do porto

1 Dúzia de ovos

Confeção:

Deita-se num alguidar grande 1 quilo de farinha. Abre-se um buraco no meio onde se deitam os ingredientes. Primeiro o fermento e o leite morno para o desfazer. Vai-se mexendo com uma mão. Depois deita-se o sumo e a raspa da laranja, a abóbora e o vinho do porto. Por fim os ovos inteiros, um a um. Vai-se mexendo sempre.

Num alguidar pequeno ao lado deita-se o outro quilo da farinha. Enquanto com uma mão se vai mexendo e enrolando a mistura, com a outra mão vai-se adicionando farinha até todo o conjunto formar uma bola que se consiga separar da mão e das paredes do alguidar. Para facilitar vai-se afastando a massa das paredes e espalhando a farinha nelas e no chão do alguidar.

Logo que faça uma bola é preciso amassá-la com as duas mãos, batendo e enrolando e virando, durante longos, longos minutos. Vai-se pondo farinha nas mãos e à volta para não pegar.

Quando a bola estiver homogénea, espalha-se farinha nas paredes e no chão do alguidar e deixa-se a bola a repousar no fundo. Tapa-se o alguidar com um pano e com casacos de malha. Deixa-se a levedar num sítio quente (não muito quente) sem nunca as destapar, durante 3 ou 4 horas.

Coloca-se uma frigideira funda o lume com óleo novo. Coloca-se um pouco de óleo numa chávena. Com os dedos molhados em óleo retira-se um pedaço de massa que forme uma bola com cerca de 4 a 5 centímetros. Vai-se esticando entre os dedos ou em cima de um prato, ou de uma tábua, untados com óleo, de modo a que fique mais grossa em redor a mais fina no meio. Deita-se no óleo já bem quente. Vai-se virando até que fiquem loirinhas dos dois lados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53

Avô bigodes na Feira da Ladra

por António Tavares, em 14.11.17

Maria Clara, olha o teu avô bigodes

na Feira da Ladra no dia de São Martinho de 2017

Caricatura de Aniceto Carmona

Avô Bigodes1.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

Até fazíamos vinho...

por António Tavares, em 31.10.17

Até fazíamos vinho…

Os primeiros anos, depois de ter a casa construída, foram de muito trabalho. Mas vínhamos de lá cansados e contentes.

Pintar gradeamentos, construir muros e passeios, construir o churrasco e o forno e o telheiro, construir a piscina, plantar árvores e relva e as sebes, apanhar as ervas do meio da relva, cortar a relva … Plantámos duas fiadas de videiras que faziam uma latada, no caminho para a garagem. Logo nos primeiros anos deram tantas uvas que me propus fazer vinho. E fiz. Comprámos um barril na feira da ladra e enchemo-lo. E bebeu-se

No ano seguinte arranjámos a garagem. Chão de mosaicos, construímos a adega e a arrecadação.

Compramos 4 barris porque a ideia na altura era percorrer as adegas da zona para escolher os melhores vinhos e engarrafá-los. A garrafeira leva cerca de 500 garrafas. O mais que lá teve foram 15 ou 20 garrafas. Depois bebi-as todas…

O pai da Fernanda sugeriu que fossemos comprar uvas para esmagar e encher os barris. E enchemos. Mas fazer vinho requer muitos cuidados e atenção. Apodreceu e foi todo para o lixo.

Como a latada de videiras fazia muito lixo cortei-as todas. Plantei depois apenas meia dúzia de uvas de mesa e não as deixo crescer muito.

Quando foi inaugurado o Continente na Amadora passámos a ter mais um motivo de recreação: fazer as compras no primeiro dia de férias. Como as férias duravam um mês inteiro tínhamos que encher 2 carrinhos. Comprávamos um presunto inteiro. Por vezes nem cabia tudo no porta-bagagens do Fiat. Na viagem para a Ericeira almoçávamos no Curral dos Caprinos. Era um dia de festa…

A nossa ideia, ao planear a Casa da Praia, era construir uma casa baixa e larga. Para esse efeito teve que se aproveitar a largura máxima possível, que o terreno permitisse. Depois teve ser esticada para trás.

Cedo a Fernanda começou a dizer que não gostava por ser baixa demais. Que parecia uma barraca.

Nas tardes solarengas juntávamo-nos com outros vizinhos no restaurante o Pinhal (hoje desactivado). O dr Miguel, o António e a D Fernanda, o Manel, a Gabriela… conversa puxa conversa. Eramos todos visitas das casas uns dos outros. Quando vinham a nossa casa perguntava a todos:

- Acha a nossa casa feia? A minha mulher acha que é muito baixa e que as outras são mais bonitas…

Eu então sempre achei que a nossa era a mais bonita de todas. Por uma razão simples: era nossa!

Certo dia fomos com os meus sogros levar a chave à mulher-a-dias, a D Isaura (que ainda hoje nos limpa a casa. À porta dela diz a minha sogra:

- Esta é que é uma casa bonita. É alta. Tem uma varada grande no primeiro andar.

Não tardou que a Fernanda fizesse a cabeça ao pai para financiar a construção do primeiro andar. Mais uma sala com bar, lareira e mesa de snooker, uma varanda, casa de banho e mais 3 quartos. E mais 10 mil contos.

Na altura havia por ali muita rapaziada nova. Brincavam todos uns com os outros. Todos gostavam de vir para nossa casa porque tinha piscina. Era a única. Acabavam de almoçar e entravam com a toalha às costas. Parecia uma piscina pública.

Começámos a aborrecer-nos com isso e passamos a fechar o portão à chave. Passaram a entrar apenas quando nós queríamos.

À noite os rapazes gostavam de brincar na rua. Nós não gostávamos muito que o Bruno andasse na rua à noite. Não estávamos descansados em casa. Então mandávamo-los todos para a nossa garagem, que era grande. Mesmo assim, para podermos descansar, tínhamos que correr com eles já pela noite fora, tal era o barulho que lá faziam.

Um dos lotes em frente à nossa casa ainda estava em mato. Para os miúdos brincarem abri um caminho pelo meio do mato e lá mais acima construi-lhes uma cabana com restos de madeiras das muitas obras da zona. Fiz um telhado com canas e mato. Era um local de brincadeiras.

Um dia, tinha o Tiago poucos anos, estava eu preparando o churrasco e a Fernanda os acompanhamentos do almoço. Perguntou-me:

- Sabes do Tiago?

- Não. Mas está aqui o triciclo. Não deve estar longe.

Procurámos. Chamámos. E nada. Corremos a rua toda a chamar por ele e ele não respondia. Estava escondido na cabana do mato.

- Não ouvias a mãe a chamar?

- Ouvia, mas não quis responder…

Casa da Praia 4.jpg

A Casa da Praia vista do lado de trás. O Torpes sempre a espreitar-me!

Casa da Praia 5.jpg

A Casa da Praia vista da frente.

Casa da Praia 6.jpg

Ao fundo o mar (à direita) e a serra de Sintra (à esquerda).

Casa da Praia 7.jpg

Pormenor do meu jardim.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:16

Novo aerograma para a minha neta

por António Tavares, em 09.10.17

Novo aerograma para a minha neta

Maria Clara. Hoje, a poucos dias de completares 9 meses, foste pela primeira vez à escola. Era para teres começado já na semana passada, mas apanhaste uma virose que depois pegaste aos teus pais. Mas tu és valente. Com 39,5 de febre comias e rias-te para nós. Os teus pais, com menos, caíram à cama.

Ficaste pouco tempo. Parece que ainda passaste pelo sono. Mas quando os teus pais chegaram para ver como estavas, já a educadora estava para lhes ligar para dizer que tu não te calavas. Não faz mal. É só o primeiro dia. Mas tens que te habituar porque eles só têm uma semana para te ajudar na ambientação.

Tens que crescer depressa. Não faz sentido ser o teu pai a carregar a tua mochila. Tens que ser tu. E eu estou ansioso para que te reboles comigo no chão a brincar. Riste-me muito para mim. Puxas-me os bigodes, queres arrancar-me os olhos e tentas tirar-me o boné da cabeça.

Tenho muitas histórias para te contar. Vamos ser grandes amigos: tu e o avô bigodes…

Quarto das bonecas.jpg

Olha só o quarto das bonecas que a avó tem na Casa da Praia para tu brincares!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:37

O ninho das formigas e o tanque para lavar o cu

por António Tavares, em 09.10.17

O ninho das formigas e o tanque para lavar o cu

Arranjei todo o jardim e a horta. Deixámos em terra a zona para fazer a piscina. Era onde o Bruno brincava com os seus carrinhos miniatura. Sempre gostou muito de carros. Fazia uma estrada. Uma pista. Um parque de estacionamento. Depois levava-os, um a um, a percorrer aqueles caminhos todos. No fim ficava todo sujo. Não fazia mal.

O padrinho do Bruno construiu-lhe uma garagem em contraplacado. Portão de entrada, com dois pisos e rampa de acesso. Era um delírio. Deu para arrumar os carros todos.

- Oh pai… os carros não enchem a garagem. Tens que comprar mais.

E comprámos.

A dada altura decidimos construir a piscina. Pedimos orçamentos e pediam-nos 2 e 3 mil contos. Decidimos fazê-la nós próprios.

Contratamos o sr Festas da Achada e ele arranjou mais uns 2 ou três amigos. Nós íamos na sexta-feira e no sábado, mal o sol raiava lá começávamos nós a ouvir o carro de mão a chiar, estrada fora. Traziam enxadas e pás para escavar e o carro de mão para acarretar a terra. Foi tudo escavado à mão e a terra atirada para o caminho de trás. Felizmente como a terra era boa houve logo quem a quisesse e a levasse em tractores. Evitou-se termos de nos desfazer dela.

O ti Festas e os amigos gostavam de ter uma pinga para ir bebendo ao longo do dia. Comprávamos-lhes um garrafão de 5 litros numa adega do Sobreiro. Dava para o dia todo. Iam intercalando com água. Certa vez trouxemos um garrafão de um vinho melhor.

- Não pode trazer mais deste vinho. Com este nós vamo-nos abaixo mais depressa…

Aberto o buraco arranjámos um pedreiro que fazer as infra-estruturas em cimento e os muros e as escadas de acesso. Comprámos as máquinas em Lisboa. Contratámos com o canalizador Carlos Batalha da Achada para montar as máquinas. Comprámos em Sintra as pedras para o rebordo exterior e para o deck. Montar as pedras exteriores foi trabalho meu.

Faltava arranjar quem revestisse a piscina com os azulejos comprados por nós. Indicaram-nos o Maximino de Caeiros. Que era um rapaz jeitoso. Que só trabalhava em azulejos. Pedimos-lhe orçamento.

- Não posso dizer ao certo. Depende do trabalho que der. Mas deve ficar à volta de 27 contos.

Mandamos fazer. Quando lá chegamos andava a trabalhar com ele o padrinho, o tio, mais um amigo … diz a Fernanda:

- Não me digas que depois temos que pagar a estes todos…

Bem dito, bem feito. Ainda antes de acabar (faltava betumar os azulejos) pediu que lhe pagássemos.

- Sabe… também tenho que pagar a quem me veio ajudar!

Começou por pedir mais de 40 contos. E o trabalho por acabar. Demos-lhes 30 contos e dissemos que se fosse embora. Que não aparecesse mais. Acabei eu por betumar os azulejos, conforme fui capaz (mal). Daí em diante vinha de mota pôr-se à nossa porta à espera que lhe pagássemos.

Sem o saber o meu sogro, com medo que nos acontecesse algo de mal, foi a casa dele e pagou-lhe o que ele queria. Viemos a saber mais tarde que ele era exactamente um calão. Vivia de biscates e não fazia nada de jeito. Esteve emigrado e veio-se embora. Esteve como caseiro numa quinta em São Lourenço e correram com ele.

Trabalhamos muito naquele pedaço de terra que é nosso. Daí lhe ter tanto amor. Tenho lá enterradas muitas gotas de suor, algumas gotas de sangue a algumas lágrimas. Transportava as pedras e o cimento dentro de dois baldes presos com cordas a um pau que colocava nos ombros. Cheguei a tê-los feridos. Vínhamos de lá cansados, mas felizes.

O Sr Sequeira (vizinho de frente) dizia muitas vezes:

- Olhe que isto é um campo de férias! Não é um campo de concentração.

A Fernanda é bora rapariga. Sempre gostou da Casa da Praia. Mas sempre gostou mais de comprar tapetes de arraiolos e bibelots. Até nas casas de banho e nas paredes instalou arraiolos. Já sobre o jardim e a horta e a piscina tinha outra opinião. Chamava-lhes o ninho das formigas. E a piscina o tanque de lavar o cu. Nunca consegui que lá metesse um pé.

Mas eu até achava piada aos tapetes de arraiolos. Colaborava mesmo no desenho de alguns. Fazia-os em folhas de Excel. Temos lá na parede uma reprodução de um que faz parte de um museu (não me lembro qual) e que é tido como um dos mais antigos, para lá da idade média. Foi descoberto numas ruinas quaisquer, em muito mau estado. Foi recuperado e nós vimos a sua fotografia num jornal qualquer, num tamanho que não deveria ter mais de 5 x 5 cm.

Ampliei-o várias vezes através de fotocópias. Desenhei-lhe em cima uma malha de quadrados e depois compu-lo, ponto por ponto, numa folha Excel. Até as cores conseguimos manter.

Disse muitas vezes à Fernanda:

- Estás a construir um museu. Não uma casa de campo…

Arraiolos.jpg

É esta a reprodução do tapete de Arraiolos medieval. Foi encontrado em muito mau estado e foi restaurado. É tido como o mais antigo Arraiolos conhecido. Vimos a sua reprodução numa revista numa foto de 5x5 cm. Redesenhei-o à mão numa folha excel. Fizemos a sua reprodução.

Frades.jpg

A adega dos monges. Tapete de Arraiolos pendurado na parede.

Caça ao javali.jpg

 A caça ao javali. Outro tapete de Arraiolos na parede.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:02

Ardeu-nos a cozinha - tinha a casa um ano

por António Tavares, em 09.10.17

Ardeu-nos a cozinha – tinha a casa um ano

Construímos a Casa da Praia nos anos 1980 e 1981. Todos os fins-de-semana íamos ver o andamento das obras. Tinha o Bruno 3 anos. Levávamos um coelho guisado e um fogareiro. Acampávamos num pinhal qualquer, fazíamos arroz de coelho e era para nós uma festa. A maior parte das vezes estragada porque as obras não avançavam, ou se avançavam lá vinha mais uma arrelia por causa de uma coisa mal feita ou outra exigência do construtor. Íamos à sua procura. Dizia que não podia ter só uma obra em andamento. Que tinha que ir fazendo várias ao mesmo tempo.

Depois de muitas zangas lá inauguramos a casa no verão de 1982. Não tínhamos mobílias. Só colchões para dormir no chão.

Passamos a ir todas as sextas-feiras à noite. Tínhamos 2 dias inteiros para trabalhar. Sempre que havia um feriado era mais um fim-de-semana prolongado. O pai da Fernanda foi comprando os gradeamentos. Eu ia-os pintando. Uma camada de primários e depois duas de tinta. Eu ia também fazendo os muros de suporte das terras e as escadas. E fiz os passeios todos em pedra que fomos comprar a Sintra.

Passávamos pela Venda do Pinheiro e levávamos o porta-bagagens do Fiat cheio de tijolos burro. Para eu ir fazendo o churrasco e o forno. Depois fiz o telheiro do churrasco.

Para fazer os passeios à volta da casa escavei primeiro uma vala funda. Revesti o fundo com brita e depois com cimento. Barrei com alcatrão toda a parede que ia ficar tapada bem como o fundo da vala. Coloquei um tubo de plástico no fundo da vala e furei-o todo. Tapei com mais brita e depois com terra por cima. Só depois construi o passeio.

Tinha verificado que em muitas casas da zona, os passeios abatiam, pouco tempo depois de serem feitos. Os nossos ainda lá estão, tal e qual como foram feitos, há quase 45 anos.

Enquanto íamos construindo a casa passeávamos pela zona a ver outras moradias em construção para tirar ideias. Foi numa delas que vimos os barrotes de ulmeiro a revestir o tecto da sala. Era a casa do secretário do presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Até candeeiros e bancos de jardim tinha levado para lá. Tinha feito a lareira com pedras de cantaria retiradas de uma demolição em Lisboa.

Mas também tivemos pessoas e virem ver a nossa obra e tirarem ideias para as suas. Como um comerciante do Sobreiro que nos pediu o contacto para comprar uma cozinha igual.

Mandamos vir de Sintra um camião de terra de jardim que andei depois a transportar em carro-de-mão e a espalhar por todo o terreno, antes de plantar a relva.

Tinha algum jeito (que aprendera com o meu pai) para trabalhos de pedreiro, mas não era capaz de rebocar paredes. Depois de terminar os muros e o churrasco teve que o pai da Fernanda levar lá um pedreiro de Lisboa (num fim-de-semana alargado) para os rebocar todos. Nós pintámo-los depois.

Arranjámos um calceteiro para fazer o empedrado da rampa da garagem.

No verão de 1985 estávamos a passar o fim-de-semana na Casa da Praia com os pais da Fernanda quando o nosso vizinho da frente fez entrar no seu quintal uma máquina de fazer furos para obter água. Ao fim de algumas horas jorrava água por todo o lado. Diz o meu sogro:

- Também podíamos fazer um furo aqui.

Fomos falar com o homem.

- Amanhã é feriado. Se quiseram trago para aqui a máquina e faço-o em pouco tempo.

No dia seguinte tivemos que vir a Lisboa buscar o dinheiro para lhes pagar, enquanto ele furava. No fim do dia jorrava água por todo o lado. 50 metros de furo pelo chão abaixo. Ainda hoje lá está, deitando água eficientemente.

Um ano depois de inaugurar a casa, ainda o churrasco não estava terminado, recebemos um sobrinho do meu sogro para almoçar connosco. O Vicente da Roussada trouxe frangos e eu assei-os entre dois tijolos à porta da garagem. Estávamos a comê-los na garagem quando ouvimos o quadro eléctrico a rebentar. Fomos ver. Toda a cozinha estava tomada pelas chamas. Tínhamos deixado ao lume a frigideira a fritar a última dose de batatas.

Peguei na mangueira e pela varanda comecei a apagar o fogo. Quando chegaram os bombeiros já quase o fogo estava dominado. Fizeram apenas o rescaldo. Felizmente tínhamos seguro que pagou tudo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:12

Conto do vigário

por António Tavares, em 25.09.17

Conto do vigário

Sempre soube muito bem onde punha os pés. Nos meus primeiros anos de vida em Lisboa nunca me furtei a ter toda a espécie de gente por companhia. Mas sempre fui capaz de escolher aqueles com quem queria manter uma relação de amizade.

O mesmo sobre as solicitações que me apareceram. Também não tinha muito tempo para lhes dar atenção. Tinha um objectivo: estudar. Fui tentado por duas vezes com o célebre conto do vigário. E das duas vezes reagi com a maior das calmas.

Uma vez (em 1968), vinha eu de Santa Apolónia para o Campo das cebolas com um bornal militar, comprado na Feira da Ladra, ao ombro e cheio de papéis aduaneiros, quando passa por mim um sujeito a correr e deixa cair, mesmo na minha frente, um embrulho. Parei e comecei a chamá-lo.

- Hei, olhe, olhe …

Estranhei que, estando ele ainda tão perto de mim, não me ouvisse e continuasse a correr. Olhei em volta e não vi ninguém.

Quando me abaixo e me preparo para apanhar o embrulho surge, não sei de onde, outro sujeito que o apanha primeiro que eu e me diz:

- Hi! Olhe! Já viu? Tanto dinheiro! Um maço de notas.

E começa a esfolhear como quem esfolheia um baralho de cartas.

- Já percebi. Podes ficar com ele.

Deve ter-me confundido com algum campónio acabado de chegar de comboio.

Seguiu o seu caminho atrás do outro. Eu segui-o à socapa sem que ele me visse. Passado algum tempo já vinham os dois de volta e à conversa, para tentarem outro papalvo.

Anos mais tarde, para aí em 1974, vinha eu de jantar em casa da Fernanda e descia a Calçada dos Cavaleiros para apanhar o comboio no Rossio para Queluz. Era já noite e reparo em algo que brilhava por entre as pedras da calçada.

Ao tentar baixar-me para apanhar o objecto que luzia alguém se antecipou a mim, vindo também não sei de onde e o apanhou primeiro que eu.

- Olhe… um anel de outo! Deve valer uma fortuna!

- Está bem. Pode ficar com ele.

E segui o meu caminho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D