Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Casa da Praia

por António Tavares, em 04.09.17

A Casa da Praia

Casámos em Maio de 1975. Era para ser em Agosto mas, uma vez em pleno PREC, foi imposto no escritório que as férias fossem escolhidas por sorteio e entre Maio e Outubro, a mim calhou-me Maio. Não faz mal. Disse o Sr Gervásio (pai da Fernanda). Casam em Maio. Lua-de-mel no Algarve.

A Fernanda trazia por dentro do fémur que partira em Janeiro de 1974 um ferro que tinha sido colocado com cerca de 1 cm de fora para poder ser retirado facilmente. Isso fazia com que muitas vezes um pequeno gesto impensado fizesse um hematoma enorme que obrigava a sucessivas aplicações de hirudoid. Cedo manifestou intenção de engravidar porque queria ter um filho cedo. Opus-me enquanto não retirasse o ferro. Foi a única maneira de a convencer. Tirou-o na CUF.

E assim apareceu o Bruno…

No ano seguinte (197) foi abolida, no escritório, a regra das férias por sorteio. Passou a ser por escolha. Quem escolheu primeiro foram aqueles a quem, no ano anterior, tinha calhado Maio e Outubro. Escolhi Agosto. E como a Ericeira era o nosso destino normal de fim-de-semana, lá fomos nós alugar uma casa na Achada para todo o mês de Agosto.

Não havia televisão, nem mesmo rádio. Só formigas. A Fernanda estava grávida e antes de entrar em casa eu tinha que ir varrer as formigas. Senão era vómito pela certa.

Ia-mos à praia todos os dias. Bastava chegar ao início da rampa e lá vinham os vómitos.

A 200 metros (no Sobreiro) tinha a família Machado e a Maria Ilda uma casa alugada para férias e fins-de-semana. O Manuel Machado fora empregado do meu sogro e acabaram por criar uma empatia entre as famílias que se manteve até à morte dele e se mantém ainda hoje com a relação de amizade entre a sua filha Dr Manuela (médica) e a Fernanda. Nesse mês de Agosto ele ficou lá sozinho no Sobreiro e todos os dias aparecia à porta de casa à hora combinada com a toalha às costas para ir connosco para a praia.

Frequentávamos as festas e romarias locais e aos fins-de-semana lá aparecia o Sr Gervásio e a D Palmira, no seu Ford Cortina.

O Bruno nasceu em 1977. Nesse ano e dois seguintes passamos a alugar casa (normalmente em Setembro) já dentro da vila da Ericeira.

Em 1979 foi resolvido, em tribunal, o diferendo entre o Sr Gervásio e a seguradora que representava a condutora que atropelara a Fernanda em Janeiro de 1974. A condutora não se deu como culpada, mas o tribunal obrigou a seguradora a pagar 500 contos.

Estávamos de férias na Ericeira. Tínhamos alugado a casa do pregoeiro da lota do peixe. Ele tinha-nos prometido que se quiséssemos peixe fresco bastava pedir-lhe de véspera. Ainda chegamos a ir à lota arrematar uma “teca” de salmonetes. Uns muito grandes, outros muito pequenos. A falta de familiaridade com a técnica de leilão levou-nos a ficar com eles por um preço muito superior ao que estavam à venda no dia seguinte na praça.

Nesse ano, com os 500 contos na mão, lembramo-nos de vir a Lisboa trocar de carro. Os avós ficaram com o Bruno na Ericeira. Tinha saído na altura um novo modelo Ford Cortina e vínhamos para comprar um. Não havia a cor que queríamos. Deixamos um encomendado. Ainda bem que nunca chegamos a comprá-lo, porque o carro teve tão pouco sucesso que desapareceu das ruas em menos de 5 anos.

Fomos então comprar um carro para o Bruno à Quermesse de Paris, nos Restauradores. A pedais. Verde, com luzes e buzina. Foi um sucesso. O Bruno percorria o Largo do Jogo da Bola na Ericeira a apitar. Todos os garotos queriam ver, mexer, andar… Habituou-se tão bem a ele que, já na casa de Odivelas, ele saía da varanda de trás e ia até à varanda da frente, pela cozinha, átrio e sala, sem tocar num móvel. Foi aí que aprendeu a conduzir.

Mas como não trouxemos um carro novo o senhor meu sogro disse-nos:

- Se desistirem de trocar de carro e quiserem fazer uma casa, eu ofereço-vos o terreno.

Dito e feito. Fomos procurar um terreno. No que restou das férias e nos meses seguintes percorremos todos os caminhos e becos à procura da melhor localização, perto da Ericeira. Eu dizia para a Fernanda:

- Compramos um pinhal apenas para termos um espaço nosso para jogar à bola com o Bruno. Pomos rede à volta e um dia se pudermos fazemos uma casa de madeira…

- Assim não, tem que ser um terreno legalizado e urbanizado. Sei lá se depois a câmara autoriza algum construção.

Assim dizia o meu sogro.

Acabamos por comprar o lote onde temos ainda a Casa da Praia. A 200$00 o metro quadrado, 500 metros. 100 contos oferecidos pelo avô Gervásio. Metemo-nos a construir a casa com os 500 contos recebidos do seguro.

Mandei vir de França livros de plantas de casas. Comecei eu a desenhar uma. Como não podia assinar projectos levei os meus planos a um desenhador oficial que os entregou na Câmara e os fez aprovar.

Passo seguinte: encontrar um construtor. As regras eram estas: para fazer a casa e os muros em volta o construtor dava toda a mão-de-obra e todo o material, areia, cimento, ferro, madeiras, tintas, etc. Nós dávamos todos os acabamentos, loiças, azulejos, etc.

Tivemos orçamentos de até 3.500 contos.

Escolhemos o sr Carlos que nos foi indicado pelo desenhador. 1.500 contos. Estava em início de carreira de construtor, nós quisemos aproveitar. Mesmo com um caderno de encargos redigido ao pormenor, aceite e assinado, correu muita coisa mal.

Começou porque nos planos estava que a garagem deveria ficar enterrada a toda a dimensão da casa.

Veio dizer que o solo era demasiado duro para a máquina que ele tinha. Que precisava de alugar uma de rastos e isso era muito mais caro.

- Alugue lá essa máquina que nós pagamos a diferença.

Disse o meu sogro.

O desenhador era também o responsável, perante a Câmara, pela fiscalização da obra. Certa vez liga-nos o construtor:

- Olhe que esteve cá o desenhador/fiscal que esteve a ver o ferro que eu pus nas vigas e não aceitou. Em contei com verguinhas de 11 e ele exige de 15, que parece que é o que está nos planos. Mas eu não contei com isso.

- Coloque que nós pagamos a diferença…

Para evitar a humidade no chão da garagem tinha escrito no caderno de encargos que chão deveria ser rebaixado cerca de meio metro e feito um enrocamento com pedras e gravilha por cima. Como não podia fiscalizar as obras durante a semana, o meu sogro metia-se no carro e aparecia lá frequentemente. Descobriu que para encher o chão estava a meter na betoneira, 2 pás de terra 1 pá de areia e outra de cimento. Por isso é que, antes de colocarmos os mosaicos, cada vez que varríamos a garagem se levantava uma nuvem dó.

Tínhamos acordado que o terreno, que era inclinado, deveria ser nivelado o mais possível. Para isso o muro de trás deveria ser levantado até à altura necessária para conter as terras. Quando dei pelo muro já feito obriguei-o a subi-lo mais um bocado. Que não estava nos planos, dele, que já estava alto o suficiente.

- Suba que nós pagamos…

Compramos materiais de acabamento de primeira categoria. Azulejos estilo século XVII feitos à mão na Fábrica de Sant’ana. Custou cada um 150 escudos, no tempo em que um azulejo de construção custava 11 escudos.

- Que porcaria de azulejos que compraram. Cada um de seu tamanho. São muito irregulares. Dão muito mais trabalho…

Dissemos-lhe que os azulejos da casa banho da garagem não podiam ser molhados antes de serem colocados. Chegamos lá um dia e eles tinham o vidrado todo estalado. Tinham sido imersos em água.

- Olhe, estes eu não lhe trago outros e você vai tirá-los e vai à procura de outros iguais…

Pegou numa picareta e pôs-se a parti-los todos…

Entrámos na sala e verificamos que metade tinha a tijoleira bem posta. A outra metade estava aos altos e baixos.

- Há … sabe … aquela parte foi posta pelo meu empregado, esta parte foi posta pelo meu padrinho…

- Não quero saber. Eu posso trazer mais tijoleiras, mas você vai arrancar esta parte toda e vai colocar de novo.

Depois disto tudo e depois de receber o combinado ainda queria ir medir o muro de trás porque estava mais alto que o previsto. Que não tinha ganhado nada com aquela obra. Que mal tirara para o ordenado. Queria mais dinheiro.

- Eu vou ter com o seu sogro à feira da Malveira…

- Então vá…

Ficámos por aqui.

Nome para a casa? Vamos chamar-lhe Casa da Praia. Porque, estando em Lisboa e se alguém perguntar: onde vamos este fim-de-semana? O mais certo será dizer: vamos à Casa da Praia! Não sei porquê, mas este nome nunca entrou no nosso léxico. Dizemos sempre: vamos à Cabeça Alta!

Casa da Praia 1.jpg

A Casa da Praia em construção

Casa da Praia 2.jpg

A Casa da Praia terminada. E o Cortina do Sr Gervásio. Faltam ainda os gradeamentos de trás. Através do portão vê-se, à esquerda, o muro para suster as terras que eu estava construindo e em frente as escadas para subir para a frente da casa, também ainda em construção.

Casa da Praia 3.jpg

 A Casa da Paria hoje.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D