Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Finalmente Dr

por António Tavares, em 16.08.17

Finalmente Dr

No verão de 1974 (pós 25 de Abril) o governo decidiu que as faculdades não iriam ter primeiros anos nesse ano. Foi aqui que se gerou uma confusão com toda uma geração que nesse ano devia entrar nas faculdades. Foi resolvida com a criação do ano propedêutico, mais tarde 12º ano.

Mas os ex-militares sempre gozaram de um estatuto especial porque, para os compensar da ida à guerra, podiam tirar cursos com currículos abreviados. Em Outubro desse ano juntamo-nos no ISE (hoje ISEG) e exigimos ter aulas nesse ano. Criou-se uma comissão, combinamos com os professores que foi possível. Criou-se um currículo só para nós e apresentámos a proposta. Não foi aceite.

Insistimos no ano seguinte 1975/1976. Já havia primeiros anos, mas nós, ex-militares conseguimos mesmo uma turma e um currículo especial para nós. De Outubro a Março fizemos 2 anos (1º e 2º) e de Março a Julho fizemos o 3º ano. Ou seja o curso de 5 anos foi tirado por nós em 3 anos. E não havia ainda Bolonha….

Foi durante a minha licenciatura que a secretária dos patrões se incompatibilizou comigo. A princípio gostava muito de mim e tratava-me quase como filho. Quando comecei a estudar no ISE metia por vezes baixa na altura dos examos para estudar. Mas ia às aulas que começavam pelas 19 horas. Ela saía do escritório pelas 18 horas e deslocava-se para casa em Campo de Ourique. Cruzávamo-nos muitas vezes nos nossos carros no mesmo percurso. Fez-me a vida negra a partir daí: queixas ao patrão, que estava de baixa mas ia para a faculdade, participações à Segurança Social, etc. Nunca mais me pode ver.

A última discussão do último trabalho da última cadeira do último ano feita, já nós estávamos de férias na Ericeira, numa manhã de um domingo de Agosto, em plena esplanada do Jardim das Estrela, a olhar para os patos e a beber uma imperial…

Média de 13 valores. Nem Bom nem Mau… assim, assim…

Em 1982, acabada a licenciatura, comecei a procurar nova profissão. Até porque com a adesão primeiro à EFTA, depois à CEE, começaram a ser eliminadas as barreiras alfandegárias e previa-se que a profissão de despachante tenderia a desaparecer com o tempo. Não desapareceu mas veio mais tarde a ser muitíssimo reduzida.

Eu e um grupo de despachantes licenciados criamos um grupo de pressão para sermos integrados na própria Alfândega. Nunca dei muita importância a esta solução que veio mesmo a acontecer mais tarde, porque o que queria era mudar para outra área.

Comecei a responder a anúncios na área da gestão, informática, sistemas, etc…

Qual não foi o meu espanto quando numa entrevista para uma empresa de sistemas de informação sou recebido por uma das filhas do patrão Despachante Oficial. Ela conheceu-me e eu conheci-a. Afinal aquela empresa também era de um dos meus patrões.

Dois dias depois o sr Visconde chamou-me. Cristão, opus dei, benfeitor de igrejas e de hotéis de padres em Fátima… Que era indesejado ali no escritório, que estava a dar a morada e o telefone do escritório como se fossem meus para eu receber contactos…

- Se tem algum motivo para me despedir, despeça-me…

O nosso sindicato tinha negociado um ACT que previa o pagamento de 6 meses de ordenado por cada ano de trabalho. E já eram 13.

- Não te despeço porque não tenho motivos para isso. Mão não gosto de ti aqui. Arranja emprego e vai-te embora…

Felizmente, logo em Setembro de 1982, acabei chamado para os TLP. Trabalhar em Organização e Métodos.

Apresentei ao patrão uma carta reivindicativa onde dizia que só ficava se me pagasse isto e isto e mais aquilo. Que era o que ia ganhar num novo emprego que conseguira. Mentira! Fui ao sindicato e informei-me daquilo que teria direito em caso de me ir embora. Levei uma carta do advogado do sindicato e entreguei-a no escritório. Pagaram-me rigorosamente o que a carta dizia. Exigi uma carta de recomendação onde fossem explicadas as minhas capacidades profissionais.

Antes de me ir embora o patrão chamou-me, deu-me a dita carta de recomendação e pediu-me para assinar um acordo em eu e ele acordávamos numa saída por mútuo acordo. Acedi. Afinal já não valia a pena fazer mais guerras. Já não me lembro do conteúdo da carta de recomendação. Mas sei que foi feita em termos elogiosos.

Entrei para os serviços de organização dos TLP em Outubro de 1982. À experiência por 6 meses. Eu o Fernando Carvalho e a Clementina (mais tarde professora no ISCTE e responsável pelos mestrados). Entramos numa altura do boom das comunicações, num período de profundas transformações, Marconi, CTT, TLP. Fusão, não fusão. Gestão comum, gestão separada…. Empresas todas na área da gestão pública. Entram novos gestores mas não saem os antigos. Compra-se um prédio para ficarem todos nas prateleiras, com secretárias e tudo…

Nesta confusão passaram-se 10 meses, nós estávamos num prédio velho da Rua das Pretas. Sem chefia. Sem nenhuma orientação. Íamos ter com os responsáveis da Rua Andrade Corvo e só nos diziam:

- Deixem-se lá estar. Alguém irá ter convosco…

E assim passaram os 6 meses e nós entramos definitivamente para os TLP.

Quando finalmente assentou uma estrutura na empresa e tivemos um director, fomos fazer um curso de 10 meses de Organização e Métodos. Curso com interesse mas que nunca conseguimos aplicar. As guerrilhas internas nunca permitiram. Estava responsável pelo estudo das secretarias administrativas das centrais telefónicas. Fiz muitas análises e propostas de solução. Foram poucas as que foram implementadas.

E quando um dia acompanhei o nosso director numa visita ao departamento de engenharia dos TLP disse-lhe, orgulhoso:

- Aqui está o meu primeiro trabalho de organização nesta casa: a reorganização deste espaço para criar um gabinete para a secretária…

 Nem me deixou acabar e à frente de toda a gente (umas 20 ou 30 pessoas), com uma mão na anca e a outra a apontar em arco para toda a sala por cima das pessoas disse em voz grossa:

- Pois o meu primeiro trabalho em organização nesta casa foi mudar o mobiliário todo desta gente. Quando cheguei tinham secretárias de madeira do tempo dos ingleses. Eu comprei secretárias metálicas modernas e funcionais para toda a gente…

Toma e embrulha! Tive que me reduzir à minha insignificância…

Este director era muito conhecido pelo seu ar de galã (de que se dizia que tinha muito proveito) e de peito levantado. Sempre bem relacionado mas distante dos seus subordinados. Quando, passados 2 anos, mudei para outra área de trabalho dentro dos TLP convidei todo o pessoal da área de Organização e Métodos para uma sardinhada na nossa Casa da Paria na Ericeira. Ele também foi. Coisa que espantou toda a gente, porque normalmente ele não alinhava neste tipo de iniciativas. E até levou a esposa. E os filhos. E até segurou na mangueira para se lavarem os pratos. Dizia a esposa para a Fernanda:

- Oh… é só isso que ele sabe fazer, pegar na mangueira…

Involuntariamente ainda lhe pregamos uma partida sem querer. O carpinteiro tinha-nos entregue a mesa e os bancos da adega na véspera. Como eram de pinho quisemos passa-los todos com bondex. Não sei porquê no banco na ponta onde ele se sentou (à chefe) o bondex não secou. E quando se levantou ficou com os calções brancos do ténis manchados de bondex no rabo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D