Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Prti a cabeça a um aluno

por António Tavares, em 16.08.17

Parti a cabeça a um aluno

O facto de passar os primeiros meses nos TLP sem chefia, fez com que respondesse aos mini concursos para professor de liceu. E como na altura ainda havia falta de professores, acabei por ser colocado a dar aulas em Lisboa, durante 3 ou 4 anos. Primeiro dei aulas mesmo de dia (ao fim da tarde), depois só aceitei horários nocturnos (suplementares). Dei aulas na Escola Luís de Camões, Liceu D Leonor, escola Nuno Gonçalves, Escola Luísa de Gusmão. Só quando fui colocado num horário totalmente de dia, na escola Manuel da Maia em campo de Ourique é que desisti.

Na escola Nuno Gonçalves apanhei uma turma de repetentes que, de tantas faltas dadas durante o dia, foram passados para a tarde/noite (horário supletivo). Eram oriundos dos bairros de barracas das traseiras da escola: Alto da Eira.

Um dos ditos alunos vinha para a aula de matemática com os braços cruzados.

- Para onde é que vens?

Inquiri.

- Para a aula de matemática…

- E caderno e livros?

- Não é preciso.

- Assim não entras.

Participei dele várias vezes. Até que foi castigado e suspenso da escola.

Certo dia, cerca das 11 da noite, numa noite de verão, dava aulas numa sala do rés-do-chão, com as janelas abertas. O dito cujo entra-me pela janela saltando para o meio da sala e apresentando-se em frente a mim com fato branco de judo, cinturão e matracas enfiados nele.

- Preciso de falar consigo…

Com a calma que só se consegue nestas situações disse-lhe que sim senhor… podíamos falar, mas que seria melhor falar lá fora, longe dos restantes alunos. E enquanto falava com ele fui-me deslocando para a porta. Apercebi-me que o aluno que estava na cadeira mais perto da porta era seu compincha e tinha chegado a carteira para a frente para trancar a porta.

Sem pensar em nada meto a mão por baixo da carteira, levanto-a, atiro-a para cima do compincha e abro a porta. Ao ver a porta aberta o dito cujo volta a saltar pela janela. Saí da sala de aula, vou à secretaria e por telefone ligo para a esquadra. Que a escola tinha sido assaltada… que era preciso vir um piquete. E veio… e levaram-no. Do resto não me lembro mais.

Só sei que uns dias mais tarde ao acabar as aulas perto da meia-noite, tinha os 4 pneus do Fiat furados. E na rua em frente um grupo de rapazes ria às gargalhadas. E desse grupo sobressaía o dito cujo…

Doutra vez na escola Luísa de Gusmão apanhei outro sorna mas brincalhão. Não estudava nem deixava estudar. Cada vez que me virava para a frente punha-se a fazer negaças e distraía toda a turma. Pu-lo na rua vezes sem conta. Depois ia para o recreio fazer as mesmas negaças junto da janela que estava aberta e também ficava no rés-do-chão.

Um certo dia coloquei a régua de madeira debaixo do braço, junto do corpo e fui-me chegando para a janela enquanto a aula ia decorrendo. E quando me apercebi que ele estava atrás de mim, sem me virar fiz um arco com a mão e com a régua de tal modo que lhe acertei mesmo na testa. Partiu a testa e foi mesmo receber assistência médica.

Mas ficou meu amigo. Mais tarde encontrei-o a trabalhar numa mercearia da rua Andrade e quando me viu agarrou-se a mim e fez uma festa:

- Olha o doutor…

E quando certo dia fui concorrente do 1-2-3 da RTP, apresentado pelo Carlos Cruz, ele estava presente porque fazia parte do público arregimentado para bater palmas. Mais uma vez me fez uma grande festa e arregimentou mesmo uma claque para me apoiar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:24



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D