Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Finalmente Dr

por António Tavares, em 16.08.17

Finalmente Dr

No verão de 1974 (pós 25 de Abril) o governo decidiu que as faculdades não iriam ter primeiros anos nesse ano. Foi aqui que se gerou uma confusão com toda uma geração que nesse ano devia entrar nas faculdades. Foi resolvida com a criação do ano propedêutico, mais tarde 12º ano.

Mas os ex-militares sempre gozaram de um estatuto especial porque, para os compensar da ida à guerra, podiam tirar cursos com currículos abreviados. Em Outubro desse ano juntamo-nos no ISE (hoje ISEG) e exigimos ter aulas nesse ano. Criou-se uma comissão, combinamos com os professores que foi possível. Criou-se um currículo só para nós e apresentámos a proposta. Não foi aceite.

Insistimos no ano seguinte 1975/1976. Já havia primeiros anos, mas nós, ex-militares conseguimos mesmo uma turma e um currículo especial para nós. De Outubro a Março fizemos 2 anos (1º e 2º) e de Março a Julho fizemos o 3º ano. Ou seja o curso de 5 anos foi tirado por nós em 3 anos. E não havia ainda Bolonha….

Foi durante a minha licenciatura que a secretária dos patrões se incompatibilizou comigo. A princípio gostava muito de mim e tratava-me quase como filho. Quando comecei a estudar no ISE metia por vezes baixa na altura dos examos para estudar. Mas ia às aulas que começavam pelas 19 horas. Ela saía do escritório pelas 18 horas e deslocava-se para casa em Campo de Ourique. Cruzávamo-nos muitas vezes nos nossos carros no mesmo percurso. Fez-me a vida negra a partir daí: queixas ao patrão, que estava de baixa mas ia para a faculdade, participações à Segurança Social, etc. Nunca mais me pode ver.

A última discussão do último trabalho da última cadeira do último ano feita, já nós estávamos de férias na Ericeira, numa manhã de um domingo de Agosto, em plena esplanada do Jardim das Estrela, a olhar para os patos e a beber uma imperial…

Média de 13 valores. Nem Bom nem Mau… assim, assim…

Em 1982, acabada a licenciatura, comecei a procurar nova profissão. Até porque com a adesão primeiro à EFTA, depois à CEE, começaram a ser eliminadas as barreiras alfandegárias e previa-se que a profissão de despachante tenderia a desaparecer com o tempo. Não desapareceu mas veio mais tarde a ser muitíssimo reduzida.

Eu e um grupo de despachantes licenciados criamos um grupo de pressão para sermos integrados na própria Alfândega. Nunca dei muita importância a esta solução que veio mesmo a acontecer mais tarde, porque o que queria era mudar para outra área.

Comecei a responder a anúncios na área da gestão, informática, sistemas, etc…

Qual não foi o meu espanto quando numa entrevista para uma empresa de sistemas de informação sou recebido por uma das filhas do patrão Despachante Oficial. Ela conheceu-me e eu conheci-a. Afinal aquela empresa também era de um dos meus patrões.

Dois dias depois o sr Visconde chamou-me. Cristão, opus dei, benfeitor de igrejas e de hotéis de padres em Fátima… Que era indesejado ali no escritório, que estava a dar a morada e o telefone do escritório como se fossem meus para eu receber contactos…

- Se tem algum motivo para me despedir, despeça-me…

O nosso sindicato tinha negociado um ACT que previa o pagamento de 6 meses de ordenado por cada ano de trabalho. E já eram 13.

- Não te despeço porque não tenho motivos para isso. Mão não gosto de ti aqui. Arranja emprego e vai-te embora…

Felizmente, logo em Setembro de 1982, acabei chamado para os TLP. Trabalhar em Organização e Métodos.

Apresentei ao patrão uma carta reivindicativa onde dizia que só ficava se me pagasse isto e isto e mais aquilo. Que era o que ia ganhar num novo emprego que conseguira. Mentira! Fui ao sindicato e informei-me daquilo que teria direito em caso de me ir embora. Levei uma carta do advogado do sindicato e entreguei-a no escritório. Pagaram-me rigorosamente o que a carta dizia. Exigi uma carta de recomendação onde fossem explicadas as minhas capacidades profissionais.

Antes de me ir embora o patrão chamou-me, deu-me a dita carta de recomendação e pediu-me para assinar um acordo em eu e ele acordávamos numa saída por mútuo acordo. Acedi. Afinal já não valia a pena fazer mais guerras. Já não me lembro do conteúdo da carta de recomendação. Mas sei que foi feita em termos elogiosos.

Entrei para os serviços de organização dos TLP em Outubro de 1982. À experiência por 6 meses. Eu o Fernando Carvalho e a Clementina (mais tarde professora no ISCTE e responsável pelos mestrados). Entramos numa altura do boom das comunicações, num período de profundas transformações, Marconi, CTT, TLP. Fusão, não fusão. Gestão comum, gestão separada…. Empresas todas na área da gestão pública. Entram novos gestores mas não saem os antigos. Compra-se um prédio para ficarem todos nas prateleiras, com secretárias e tudo…

Nesta confusão passaram-se 10 meses, nós estávamos num prédio velho da Rua das Pretas. Sem chefia. Sem nenhuma orientação. Íamos ter com os responsáveis da Rua Andrade Corvo e só nos diziam:

- Deixem-se lá estar. Alguém irá ter convosco…

E assim passaram os 6 meses e nós entramos definitivamente para os TLP.

Quando finalmente assentou uma estrutura na empresa e tivemos um director, fomos fazer um curso de 10 meses de Organização e Métodos. Curso com interesse mas que nunca conseguimos aplicar. As guerrilhas internas nunca permitiram. Estava responsável pelo estudo das secretarias administrativas das centrais telefónicas. Fiz muitas análises e propostas de solução. Foram poucas as que foram implementadas.

E quando um dia acompanhei o nosso director numa visita ao departamento de engenharia dos TLP disse-lhe, orgulhoso:

- Aqui está o meu primeiro trabalho de organização nesta casa: a reorganização deste espaço para criar um gabinete para a secretária…

 Nem me deixou acabar e à frente de toda a gente (umas 20 ou 30 pessoas), com uma mão na anca e a outra a apontar em arco para toda a sala por cima das pessoas disse em voz grossa:

- Pois o meu primeiro trabalho em organização nesta casa foi mudar o mobiliário todo desta gente. Quando cheguei tinham secretárias de madeira do tempo dos ingleses. Eu comprei secretárias metálicas modernas e funcionais para toda a gente…

Toma e embrulha! Tive que me reduzir à minha insignificância…

Este director era muito conhecido pelo seu ar de galã (de que se dizia que tinha muito proveito) e de peito levantado. Sempre bem relacionado mas distante dos seus subordinados. Quando, passados 2 anos, mudei para outra área de trabalho dentro dos TLP convidei todo o pessoal da área de Organização e Métodos para uma sardinhada na nossa Casa da Paria na Ericeira. Ele também foi. Coisa que espantou toda a gente, porque normalmente ele não alinhava neste tipo de iniciativas. E até levou a esposa. E os filhos. E até segurou na mangueira para se lavarem os pratos. Dizia a esposa para a Fernanda:

- Oh… é só isso que ele sabe fazer, pegar na mangueira…

Involuntariamente ainda lhe pregamos uma partida sem querer. O carpinteiro tinha-nos entregue a mesa e os bancos da adega na véspera. Como eram de pinho quisemos passa-los todos com bondex. Não sei porquê no banco na ponta onde ele se sentou (à chefe) o bondex não secou. E quando se levantou ficou com os calções brancos do ténis manchados de bondex no rabo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26

Partida para Moçambique

por António Tavares, em 06.05.17

Partida para Moçambique

Durante a especialidade em Mafra, preparei-me para fazer a admissão ao ISE. Em Julho de 1971 pedi licença para ir fazer os exames a Lisboa. Fui e fui admitido. Mas já era tarde de mais. Já não podia pedir adiamento de incorporação.

Pedi ao Mário que me arranjasse os livros pelos quais a Ana estudava (andava no ISE) para eu ir lendo em Moçambique. Arranjou-me o Pereira de Moura (era a bíblia) mais alguns livros e algumas sebentas. Foram todos roubados em Mueda.

Havia em Torres Novas um alferes que devia pesar perto de 150 quilos. Pensa-se que foi o seu peso que evitou que fosse mobilizado para o ultramar. Tinha um Fiat 600 e um gosto especial por petiscos. Quem ia com ele tinha que ocupar os bancos de trás do Fiat. A frente era só para ele.

Íamos com frequência beber uns copos a uma taberna nas Terras Negras. Com a sua bonomia era uma pessoa muito bem-disposta. Dizia que tinha por hábito fechar os olhos quando guiava a direito e que os abria sempre antes da próxima curva.

Certo dia, vínhamos das Terras Negras, abriu os olhos tarde de mais e só parámos dentro de um campo de couves. Os quatro conseguimos por o Fiat na estrada. O pior foi quando chegamos à cidade e quisemos ir meter gasolina. Saímos todos para nos limpar e quando fomos embora deixamos a bomba de gasolina cheia de terra. É que tinha chovido e, quer nós quer o Fiat, pingávamos lama por todo o lado. O homem da bomba de gasolina ainda lá deve estar a fazer barulho, neste momento…

Finda a instrução, em Março de 1972, deu-se início à preparação para embarcar para Moçambique. Todos em tronco nu, sentados num banco corrido, uma perna para cada lado, passava o enfermeiro com uma seringa enorme e dava uma espetadela em cada um. Era a chamada dose cavalar.

Era autorizado aos militares deixar cá, na metrópole, cerca de 60% do ordenado. Ia ganhar cerca de 10.000$00. Decidi deixar cá 6.500$00. Informei-me sobre que companhia de seguros fazia seguros de vida de militares que iam para o ultramar, que cobrissem o risco de morte. Só havia uma: a francesa La National Vie. Contratei um seguro, já não me lembro de que valor. O beneficiário, em caso da minha morte era o meu pai. Paguei a primeira anuidade e avisei a minha irmã Helena (era a mais velha) que tinha dado o nome dela para ficar a receber todos os meses os meus 6 contos e quinhentos e pedi-lhe para os depositar na minha conta no banco. E ela pagaria desse valor as restantes anuidades do meu seguro de vida.

Não sei como nem porquê o meu pai veio a saber que tinha dado o nome dela para ficar a receber o dinheiro. A helena disse-me que o pai não tinha ficado nada contente. Mais uma vez não me disse nada a mim. Mas para evitar confusões troquei o nome dela pelo do meu pai. Mas disse à Lena que lhe mandaria todos os anos o valor necessário para pagar a anuidade dos seguros. E mandei sempre.

Quando escrevia à mãe dizia-lhe:

- Ó mãe, olhe que o dinheiro que vocês aí recebem é do meu ordenado. Guardem-me algum para eu reiniciar a minha vida quando aí chegar.

A mãe respondia que sim. O certo é que quando cá cheguei nem um tostão tinham guardado. Quando regressei para o despachante, em pleno período PREC, entramos em autogestão. Recebi, passados uns meses uma autopromoção com retroactivos que me permitiram comprar, a pronto, um Fiat 128. Mas não tinha dinheiro para o seguro, já na altura obrigatório. Pedi à minha mãe que ao menos me ajudasse a pagar o seguro. Afinal tinham recebido 6 contos e quinhentos do meu ordenado durante 2 anos.

A mãe respondeu que o dinheiro tido ajudado este e aquele… (disse-me os nomes!), que não tinha o que lhe pedia, mas mandava o possível.

Sabes Lúcia… lembras-te de quando ias ter comigo à Marconi, ao pé da Feira Popular, a pedir que também tinha que contribuir para comprar uma televisão para os pais no Casalinho e eu dizia que não podia? Não te quis dizer, na altura, que já tinha ajudado a todos vocês o suficiente, com o meu ordenado, durante dois anos. Afinal eu fui, de todos, o que mais ajudou os pais e não só. Eu sei que o pai pensava que o dinheiro que recebia era um subsídio do estado por ter um filho na tropa. Mas não era. Era o meu ordenado. E eu disse-lhes, por carta, muitas vezes. E muito me custou, com a ajuda de pessoas que não me eram nada, conseguir ir para a tropa como oficial a ganhar mais de 10 contos por mês… em 1971…

Voltando a Torres Novas…

Comprei a revista Crónica Feminina. Publiquei um anúncio: “Alferes miliciano deseja corresponder-se com raparigas …. SPM XXXX”. Era usual os militares colocarem estes anúncios em revistas femininas, para terem amigas com quem se corresponder. Eu tinha pedido às minhas namoradas platónicas para se corresponderem comigo. Da Graça não consegui nada. A Nônô ainda me escreveu algumas vezes.

Devido às peripécias da minha chegada a Moçambique (Beira, Porto Amélia, Mueda, Hospital), só 2 ou 3 meses depois recebi as primeiras cartas. E a primeira entrega (ainda no hospital) foi um saco bem recheado de cartas. Algumas até do Brasil: Vitória, Piauí.

Não podia responder a todas. Fiz uma selecção: melhores palavras, melhores letras, melhores localizações, etc. Mesmo assim ainda respondi a algumas durante algum tempo. Depois foi a selecção natural. A cativação pelos diálogos escritos e a assiduidade. Ficou a Fernandinha (sempre lhe chamei assim), a mãe dos meus filhos e minha companheira à 42 anos.

Voltando novamente a Torres Novas…

Na véspera de embarcar para Moçambique fui ao Quartel do Entroncamento buscar um soldado que estava preso (nunca soube porquê) e que tinha sido castigado com a mobilização forçada. Partimos no dia seguinte em camiões para o aeroporto militar de Lisboa.

Fomos das primeiras companhias a embarcar nos 2 novos Boing 707 brancos da Força Aérea e não nos velhos Paquetes Vera Cruz e Funchal. Cada avião levava uma companhia inteira, mais de 300 homens.

Dos 4 Alferes que faziam parte da nossa companhia, um não compareceu ao embarque. Tinha dado baixa ao Hospital Militar Central de Lisboa. Nunca mais o vi.

Eram 10 horas da manhã. 12 horas depois estávamos no aeroporto de Luanda. Já era noite, saímos e senti, pela primeira vez, o bafo do calor de África. Umas horas depois embarcamos de novo com destino à Beira.

Depois de uns dias de descanso, de ter sido levado pela 2oposição” e pela “contra-espionagem” a fazer o tirocínio pelos bares da cidade, de ouvir e cantar o cancioneiro do Niassa várias vezes, aí vamos nós de avião (agora da DETA, companhia moçambicana) rumo a Porto Amélia.

A partir daqui iríamos embrenharmo-nos na guerra…

T Novas 3.jpg

 Eu, os meus Furriéis e os meus cabos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42

A casa de Queluz a Nônô e os óculos de cascas de laranja

por António Tavares, em 26.04.17

A casa de Queluz a Nônô e os óculos de cascas de laranja

Mantive-me na pensão da Rua de Stª Marta até à ida para a tropa. Entretanto o Manel também tinha vindo para Lisboa tirar um curso de Offset. Como tínhamos familiares no Ministério da Educação ele conseguiu depois lá um lugar na reprografia. A Lena e a Lúcia também tinham vindo para Lisboa para empregadas internas na casa de uma senhora da sociedade, irmã do Sr Visconde. Tinha sido o primo Manel de Moura que dera um toque ao Sr Visconde. Estiveram lá pouco tempo. A Lúcia foi para uma casa de freiras e a Lena acabou por ir trabalhar também para o Ministério da Educação e alugou uma parte de casa no Bairro Alto.

Estava na tropa em Mafra e vinha a Lisboa aos fins-de-semana. Costumava ficar com ela.

Nessa altura tinha um amigo da Roda, mais velho, que também fora seminarista, o Tonito. Ele tinha uma amiga que conhecera dos seus tempos de tropa na Amadora. Essa amiga tinha mais 2 irmãs. Eram oriundas de Elvas e moravam com os pais na Amadora. Parece que ainda eram conhecidas daquele que cantava “Ó Elvas, Ó Elvas, Badajoz à vista...". Essas raparigas eram interessantes porque a mãe era chinesa de Macau. O pai delas fora lá sargento do exército. E aquela mistura de português e chinês dei-lhes um traço característico.

Sempre que vinha a Lisboa, eu o Tonito tínhamos companhia para o fim-de-semana. Ele com a mais velha e eu com a do meio. Íamos à praia a Carcavelos e ao Estoril, percorríamos os cafés da Reboleira e Amadora, íamos dançar e beber uns copos para uma boite que abria as portas aos domingos à tarde para a malta mais nova e que ficava na Rua Filipa de Vilhena. O Tonito chegou a namorar com a mais velha. Acabou por casar com uma rapariga lá da terra. Eu tentei alguma aproximação à irmã do meio. Foi o meu segundo amor platónico. Ainda hei-de falar do primeiro. Mas sempre que lhe puxava pela conversa ela dizia que tinha um namorado que era piloto da Força Aérea. Nunca o vi. O certo é que passávamos muitos fins-de-semana juntos. Mas fiquei-me apenas pelo amor platónico pela minha chinesinha Nônô…

Quando fui para Moçambique levei o seu contacto. Ainda escrevemos algumas cartas. Nunca existiu empatia e acabou.

Quando regressei da guerra e fui estudar para o ISE estava ela a acabar o curso. Apenas nos cumprimentávamos. Depois encontrava-a regularmente na Rua da Prata. Ela vinha de comboio da Amadora e apanhava o eléctrico para o Arco do Cego. Trabalhava na Casa da Moeda.

Como eu e alguns dos meus irmãos já estávamos em Lisboa foi por sugestão do Tonito que começamos a procurar casa para alugar para todos. Um dia fui com ele a Queluz ver uma casa disponível. Levei lá a Lena e ficamos com ela. Tinha 5 assoalhadas. 2 quartos para os rapazes e 2 para as raparigas.

Atrás de nós vieram os outros todos. Até que ficaram apenas os pais em Cardigos. Eu estava na tropa. E eles lá foram arranjando emprego, a maioria deles no Ministério da Educação. O certo é que a vinda para Lisboa abriu os olhos a eles todos. A maioria acabou por estudar à noite, acabaram por tirar cursos superiores e arranjar empregos melhores.

O Mário também deu as suas voltas na vida. Foi tirar a escola primária a Canha, perto de Setúbal, a casa de familiares da parte da minha mãe. Quando vinha a casa nas férias do Natal trazia de lá laranjas. Eram as maiores laranjas que já vira. Enormes. Tão grandes eram que a minha mãe descascava-as e dava a cada um apenas um ou 2 gomos. Mesmo assim havia guerra pelas cascas. Para comer a parte interior da casca. Estas laranjas serviam para fazer óculos: eu cortava 2 lascas da casca em lados opostos. Depois cortava uma tira da casca entre as duas lascas sem a separar. Por fim tinha que meter a faca por dentro da casca e separar toda a casca do miolo. Enfiava a tira debaixo do chapéu e afastava os dois buracos para os lados, ficando um em cada olho. Era assim que eu brincava.

Depois o Mário esteve no seminário de Poiares. Tentou e não se deu bem. Acabou por ir tirar o liceu a Castelo Branco. Usava a barba grande e os cabelos enormes. Cada vez que vinha ao Casalinho havia sempre discussão com o pai. Quase chegavam por vezes a vias de facto. Ele não queria aquelas guedelhas. Ele veio depois para Lisboa tirar Medicina. Teve ligações esquerdistas. Constou-me, depois de eu vir de Moçambique, que uns dias antes do 25 de Abril alguém ligado à PIDE batera à porta da casa de Queluz a perguntar por ele.

Depois do 25 de Abril as suas ligações esquerdistas levaram-no a participar em actividades de apoio local em locais mais desprotegidos. Num bairro de barracas da Amadora participou na construção de um espaço para apoio social e escolar.

A casa de Queluz serviu para todos nós. Até para receber o pai depois de adoecer e a Mãe quando ficou viúva. Foi lá que faleceu o pai e mais tarde a mãe.

Foi para lá que fui morar quando vim de Moçambique. Foi de lá que saí para ir casar. Lá faleceu o João, vítima de um ataque epiléptico nocturno. De lá saíram os meus irmãos todos menos o Abílio e o Alberto. Quando o senhorio vendeu o andar, o Abílio comprou a parte dele e a parte do Alberto. O Alberto foi depois comprar uma para ele para os lados de Sintra.

A dada altura a minha mãe chamou os filhos todos. O Manel já tinha falecido. Veio a viúva. Havia feito lotes dos terrenos todos como ela entendeu. Escreveu os nomes em papelinhos e enrolou-os. A começar pelos mais velhos cada um tirou um papel. Para mim ficou o Covão do Rocinho e parte do Cabril, entre o estradão e o lado direito da barragem. A casa ficava para todos. Assim evitou a guerra de partilhas e faleceu em paz.

Barragem preta.jpg

 A barragem do Casalinho com água preta, fruto dos incêndios de 2003. A maior parte dela construida em terrenos dos meus pais.

Os terrenos de lá ficaram para um dos meus irmãos. Uma tira que restou do lado de cá ficou para mim.

Covão do rossinho ardido.jpg

O Covão do Rocinho: a horta e os terrenos que me calharam, ardidos em 2003.

À esquerda a Fernanda, a mãe dela (D Palmira) e os meus filhos Bruno e Tiago.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:11

É para isto que servem os amigos

por António Tavares, em 24.04.17

É para isto que servem os amigos

No seminário estudava-se apenas a área de Histórico-filosóficas. Latim, grego, filosofia, etc. Logo que cheguei a Lisboa tentei arranjar uma escola onde seguisse esse rumo. Pela sua localização a escola Luís de Camões na Almirante Reis era a única que me servia: tinha aulas à noite e ficava perto do trabalho e da pensão. Para além de não terem essas disciplinas disseram-me logo: para que é que queres estudar isso?

Nunca tinha pensado nisso. Queria apenas estudar. Fui depois investigar qual a escola superior que tinha aulas nocturnas. Só me indicaram o ISE (hoje ISEG). Voltei à escola e escolhi uma área que me levasse ao ISE.

Inscrevi-me numa turma que ia ministrar no mesmo ano o 6º e o 7º ano ao mesmo tempo. Fui fazer exames finais em Julho ao Liceu D Pedro V. Passei a todas as disciplinas e só fiz oral de Inglês e Matemática.

No inglês joguei na sorte: estudei apenas uma lição, de trás para a frente e da frente para trás. Os verbos todos dessa lição, etc. O júri disse-me: abre o livro e onde calhar lê a lição. Estava marcada. Abri mesmo naquela lição. Sabia a lição de cor. Fizeram-me 2 perguntas e passei com 10. Matemática é que chumbei na oral.

Comecei a ver a vida a andar para trás. Podia pedir adiamento da incorporação no exército enquanto estivesse a estudar num curso superior, mas para isso tinha que entrar no curso nesse ano: 1970. Logo, precisava de aprovação na prova de admissão ao ISE. Já só tinha a oportunidade de Outubro. Foi nesse verão que passei todo o tempo a fazer todos os exercícios do Palma Fernandes. Mesmo no café ou nas esplanadas, enquanto os colegas ouviam o relato do futebol, eu fazia exercícios. Em Setembro passei na matemática do 7º ano e fiz fazer exame de aptidão ao ISE. Chumbei.

Como o que não tem remédio, remediado está, a minha decisão foi pedir antecipação da incorporação. Já que tinha que ir para a tropa que fosse já. Quanto mais depressa fosse mais depressa vinha. Mas com o 7º ano ia para o curso de sargentos e se estivesse a frequentar um curso superior ia para o curso de oficiais, para Mafra.

Espera, lembrei-me: Há-de haver um curso superior que não exija exame de aptidão. E havia: era o ISLA. Lá fui eu à Rua do Sacramento à Lapa inscrever-me, já nem sei em que curso. Num qualquer. Inscrevi-me e paguei. Disse na secretaria:

- Agora preciso que me passe um atestado em como já estou inscrito, para fins militares.

- Há, mas nesse caso, tem que pagar o ano todo.

- O ano todo? Mas porquê?

- Porque vai acontecer consigo o que acontece com quase todos os que cá se vêm inscrever. Só vêm pelo atestado e depois não poem cá mais os pés.

- E quanto custa?

- 8 contos.

Por esta é que eu não esperava. 8 contos! E agora? Ainda escrevi à minha mãe a pedir ajuda. Não consegui nada. Felizmente há sempre pessoas boas. E normalmente sempre as encontrei fora do circuito famíliar. Havia no escritório do despachante um rapaz chamado Manuel Lopes. Era o tesoureiro do Grupo Desportivo. Contei-lhe em jeito de desabafo. Disse-me ele: eu ajudo-te.

Emprestou-me os 8 contos das contas do Grupo Desportivo. Combinamos na altura os reembolsos mensais. Não falhei um. E no dia de embarcar para a tropa tinha tudo pago.

Era um amigo do coração. Anos mais tarde (1983?) estava eu a trabalhar nos TLP já o Manel Lopes trabalhava como Despachante Oficial. Tinha comprado um andar para escritório numa transversal à Afonso III. Era uma rua nova. Não havia telefones. Em todo o prédio só havia o telefone das obras de construção instalado num espaço na garagem. E os TLP Não tinham projecto previsto para a zona. Era preciso abrir uma conduta nova por baixo da Afonso III, um ramal até ao prédio, instalações novas, etc. Coisa para vários anos.

O Manel pediu o telefone emprestado ao construtor e instalou uma secretária na cave onde ficou a sua empregada. Sempre ligavam para ele, ela chamava o patrão através de walkie-talkie.

Nada que um bom amigo não resolva. Eu tinha nos TLP outro amigo o Engº Santos Cruz. Contei-lhe e com a sua influência, num mês fez-se o projecto, abriu-se a conduta e o ramal e o Manel Lopes instalou no seu escritório 3 telefones e um fax.

Recompensa: umas santolas num jantar a 3 na cervejaria Solmar. E 2 caixas com 12 garrafas de vinho verde tinto de produção caseira que ele trouxe da terra dele, lá no Minho. Nunca tinha bebido. Mas souberam-me a pouco.

Com o documento de frequência do ISLA na mão lá fui ao departamento de recrutamento do exército pedir para seguir na primeira incorporação. Estávamos em Outubro ou Novembro de 1970. Já não dava para ir na primeira, em Janeiro. Fui na segunda em Abril. Havia 4 recrutas por ano.

Na véspera do dia aprazado para me apresentar em Mafra levei os meus amigos todos a beber umas imperiais na cervejaria Ribadouro. No dia seguinte apanhei o último comboio da tarde no Rossio. Destino Mafra. Comecei a ver vários rapazes da minha idade com malas. Pensei: vamos se colegas. E foram. Chegados à estação de Mafra saímos. Eramos uns 4 ou 5. Na estação: ninguém. Não havia telefones. Transportes também não. A estação (apeadeiro) ficava num deserto numa encosta, longe de tudo. Andámos um pouco a pé e inquirimos a um aldeão como se ia para Mafra. Respondeu:

- Apé. A esta hora já não há transportes. E são uns 8 ou 9 quilómetros.

Acabamos por encontrar um senhor de mota a quem pedimos fosse chamar 2 táxis para nos levar a Mafra.

Assim começou a minha aventura na guerra…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:24


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D