Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O regresso

por António Tavares, em 16.08.17

O regresso

A minha partida para África não foi da maneira mais comumente publicitada: de barco, milhares de familiares no cais acenando com lenços brancos… não. Saímos de Torres Novas em camiões directamente para o aeroporto militar de Figo Maduro (Portela). Ninguém a despedir-se de nós. Num fim de tarde de Abril de 1972. Num dos 2 Boing 707 brancos da Força Aérea.

Como em Moçambique me separei da minha companhia, acabei por vir de regresso naquilo que se chamava “rendição individual”. Como vinha sozinho (não integrado em nenhuma companhia) o exército não providenciava o meu transporte para além do aeroporto de Lisboa.

Sabendo disso escrevi para os meus irmãos em Queluz avisando da minha chegada. 25 de Maio de 1974. Esperava que me viessem buscar.

Tal como na partida, não havia barco nem familiares no cais acenando. Aterramos na Portela pelas 3 horas da manhã. Ao fim de 2 anos de ausência ninguém me esperava. Vi-me sozinho, com uma mala de mão em pleno aeroporto militar de Figo Maduro. Sem uma única moeda no bolso. Solução? Peguei um táxi e disse ao motorista que acabava de chegar de Moçambique, não tinha dinheiro, que me levasse a Queluz, que algum dos meus irmãos teria dinheiro para lhe pagar. Assim foi.

Recebido sem euforia. Como se fosse um estranho.

Os dias seguintes foram passados a tratar das burocracias: apresentação no quartel de Adidos na Ajuda para receber a carta de passagem à disponibilidade e ida aos serviços financeiros do exército levantar os tais cento e tal contos do sargento. Depositei-os na conta dele no Totta e retive os meus 10%. Foi este o primeiro dinheiro que tive depois de 3 anos de tropa como oficial miliciano, posto este que muito me custou a conseguir, ajudado apenas por quem não me era nada, eram apenas meus amigos.

E ir ter com a Fernanda…

Apresentei-me uns dias depois no escritório do despachante. Podia ter gozado um mês de férias mas não quis. Para quê ir de férias? Disse que precisava de trabalhar já, porque não tinha dinheiro. Concordaram em que começasse de imediato, pois até começava a haver mais movimento no cais com a previsão de chegada dos retornados. E até me deram um ordenado a mais (relativo ao mês de férias que não gozei). Os mesmos 5 contos por mês que já ganhava dois anos antes, antes de ir para a tropa.

Os tempos seguintes foram vividos na euforia do pós 25 de Abril. As barricadas, o PREC, os SUV (Soldados Unidos Vencerão), da reforma agrária, das nacionalizações. De vez em quando aviões e helicópteros no ar. O sr despachante tinha arranjado uma sala para o seu tio trabalhar. Havia sido saneado do SNI (Secretariado Nacional de Informação = propaganda). Numa certa segunda-feira fomos surpreendidos pela entrada dos fuzileiros. Vieram prendê-lo.

Trabalhavam no escritório mais de 80 pessoas. Fez-se uma RGT (reunião geral de trabalhadores), foi eleita uma CT (comissão de trabalhadores), o Manel Lopes ficou como presidente, foi eleita uma Comissão de Gestão, conseguimos que o primo Manel de Moura ficasse do nosso lado. Ele era o mais antigo, amigo e braço direito do patrão, seu comparsa na Opus Dei e nos Cursos de Cristandade.

Os familiares diretos do patrão (filhas e genros) fugiram para o Canadá. Dizia-se que levavam nos caixotes que despachámos no cais, as baixelas e as pratas.

Quando, passados os tempos do PREC, tudo voltou ao normal, o patrão não mais perdoou ao primo Manel de Moura a traição de se ter posto do nosso lado.

Passamos a controlar as contas. Havia muito dinheiro disponível. Foi decidido fazer-se todos os anos a distribuição de lucros igualitária (igual para todos), foi decidido um aumento extraordinário de ordenado. Eu passei de 5.000$00 para 12.500$00. E com retroactivos desde o dia do meu regresso. O suficiente para comprar o meu primeiro carro, um Fiat 128. E a pronto. Logo no dia a seguir a ter recebido o dinheiro, entrei no stand da Fiat na Rua de Santa Marta (mesmo ao lado da pensão onde morava) e comprei o único quer estava disponível: verde.

Já na altura o seguro era obrigatório. Não tinha dinheiro para ele. Escrevi uma carta à minha mãe a contar que precisava de pagar o seguro do carro, para que me mandasse algum do que tinham recebido do meu ordenado durante 2 anos.

Mandou qualquer coisa que nem para metade do seguro chegava. Que tinha sido gasto com este e com aquele e com aquela (meus irmãos). Que mandava o que podia. Ainda hoje eles não percebem que estiveram a gastar durante 2 anos parte do meu ordenado. Sempre pensaram lá em casa que aquele dinheiro era uma compensação do Estado por eu estar na guerra.

Quem me ajudou a pagar o resto do seguro foi o meu futuro sogro (Sr Gervásio Cardoso) a pedido da minha namorada, Fernanda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

Partida para Moçambique

por António Tavares, em 06.05.17

Partida para Moçambique

Durante a especialidade em Mafra, preparei-me para fazer a admissão ao ISE. Em Julho de 1971 pedi licença para ir fazer os exames a Lisboa. Fui e fui admitido. Mas já era tarde de mais. Já não podia pedir adiamento de incorporação.

Pedi ao Mário que me arranjasse os livros pelos quais a Ana estudava (andava no ISE) para eu ir lendo em Moçambique. Arranjou-me o Pereira de Moura (era a bíblia) mais alguns livros e algumas sebentas. Foram todos roubados em Mueda.

Havia em Torres Novas um alferes que devia pesar perto de 150 quilos. Pensa-se que foi o seu peso que evitou que fosse mobilizado para o ultramar. Tinha um Fiat 600 e um gosto especial por petiscos. Quem ia com ele tinha que ocupar os bancos de trás do Fiat. A frente era só para ele.

Íamos com frequência beber uns copos a uma taberna nas Terras Negras. Com a sua bonomia era uma pessoa muito bem-disposta. Dizia que tinha por hábito fechar os olhos quando guiava a direito e que os abria sempre antes da próxima curva.

Certo dia, vínhamos das Terras Negras, abriu os olhos tarde de mais e só parámos dentro de um campo de couves. Os quatro conseguimos por o Fiat na estrada. O pior foi quando chegamos à cidade e quisemos ir meter gasolina. Saímos todos para nos limpar e quando fomos embora deixamos a bomba de gasolina cheia de terra. É que tinha chovido e, quer nós quer o Fiat, pingávamos lama por todo o lado. O homem da bomba de gasolina ainda lá deve estar a fazer barulho, neste momento…

Finda a instrução, em Março de 1972, deu-se início à preparação para embarcar para Moçambique. Todos em tronco nu, sentados num banco corrido, uma perna para cada lado, passava o enfermeiro com uma seringa enorme e dava uma espetadela em cada um. Era a chamada dose cavalar.

Era autorizado aos militares deixar cá, na metrópole, cerca de 60% do ordenado. Ia ganhar cerca de 10.000$00. Decidi deixar cá 6.500$00. Informei-me sobre que companhia de seguros fazia seguros de vida de militares que iam para o ultramar, que cobrissem o risco de morte. Só havia uma: a francesa La National Vie. Contratei um seguro, já não me lembro de que valor. O beneficiário, em caso da minha morte era o meu pai. Paguei a primeira anuidade e avisei a minha irmã Helena (era a mais velha) que tinha dado o nome dela para ficar a receber todos os meses os meus 6 contos e quinhentos e pedi-lhe para os depositar na minha conta no banco. E ela pagaria desse valor as restantes anuidades do meu seguro de vida.

Não sei como nem porquê o meu pai veio a saber que tinha dado o nome dela para ficar a receber o dinheiro. A helena disse-me que o pai não tinha ficado nada contente. Mais uma vez não me disse nada a mim. Mas para evitar confusões troquei o nome dela pelo do meu pai. Mas disse à Lena que lhe mandaria todos os anos o valor necessário para pagar a anuidade dos seguros. E mandei sempre.

Quando escrevia à mãe dizia-lhe:

- Ó mãe, olhe que o dinheiro que vocês aí recebem é do meu ordenado. Guardem-me algum para eu reiniciar a minha vida quando aí chegar.

A mãe respondia que sim. O certo é que quando cá cheguei nem um tostão tinham guardado. Quando regressei para o despachante, em pleno período PREC, entramos em autogestão. Recebi, passados uns meses uma autopromoção com retroactivos que me permitiram comprar, a pronto, um Fiat 128. Mas não tinha dinheiro para o seguro, já na altura obrigatório. Pedi à minha mãe que ao menos me ajudasse a pagar o seguro. Afinal tinham recebido 6 contos e quinhentos do meu ordenado durante 2 anos.

A mãe respondeu que o dinheiro tido ajudado este e aquele… (disse-me os nomes!), que não tinha o que lhe pedia, mas mandava o possível.

Sabes Lúcia… lembras-te de quando ias ter comigo à Marconi, ao pé da Feira Popular, a pedir que também tinha que contribuir para comprar uma televisão para os pais no Casalinho e eu dizia que não podia? Não te quis dizer, na altura, que já tinha ajudado a todos vocês o suficiente, com o meu ordenado, durante dois anos. Afinal eu fui, de todos, o que mais ajudou os pais e não só. Eu sei que o pai pensava que o dinheiro que recebia era um subsídio do estado por ter um filho na tropa. Mas não era. Era o meu ordenado. E eu disse-lhes, por carta, muitas vezes. E muito me custou, com a ajuda de pessoas que não me eram nada, conseguir ir para a tropa como oficial a ganhar mais de 10 contos por mês… em 1971…

Voltando a Torres Novas…

Comprei a revista Crónica Feminina. Publiquei um anúncio: “Alferes miliciano deseja corresponder-se com raparigas …. SPM XXXX”. Era usual os militares colocarem estes anúncios em revistas femininas, para terem amigas com quem se corresponder. Eu tinha pedido às minhas namoradas platónicas para se corresponderem comigo. Da Graça não consegui nada. A Nônô ainda me escreveu algumas vezes.

Devido às peripécias da minha chegada a Moçambique (Beira, Porto Amélia, Mueda, Hospital), só 2 ou 3 meses depois recebi as primeiras cartas. E a primeira entrega (ainda no hospital) foi um saco bem recheado de cartas. Algumas até do Brasil: Vitória, Piauí.

Não podia responder a todas. Fiz uma selecção: melhores palavras, melhores letras, melhores localizações, etc. Mesmo assim ainda respondi a algumas durante algum tempo. Depois foi a selecção natural. A cativação pelos diálogos escritos e a assiduidade. Ficou a Fernandinha (sempre lhe chamei assim), a mãe dos meus filhos e minha companheira à 42 anos.

Voltando novamente a Torres Novas…

Na véspera de embarcar para Moçambique fui ao Quartel do Entroncamento buscar um soldado que estava preso (nunca soube porquê) e que tinha sido castigado com a mobilização forçada. Partimos no dia seguinte em camiões para o aeroporto militar de Lisboa.

Fomos das primeiras companhias a embarcar nos 2 novos Boing 707 brancos da Força Aérea e não nos velhos Paquetes Vera Cruz e Funchal. Cada avião levava uma companhia inteira, mais de 300 homens.

Dos 4 Alferes que faziam parte da nossa companhia, um não compareceu ao embarque. Tinha dado baixa ao Hospital Militar Central de Lisboa. Nunca mais o vi.

Eram 10 horas da manhã. 12 horas depois estávamos no aeroporto de Luanda. Já era noite, saímos e senti, pela primeira vez, o bafo do calor de África. Umas horas depois embarcamos de novo com destino à Beira.

Depois de uns dias de descanso, de ter sido levado pela 2oposição” e pela “contra-espionagem” a fazer o tirocínio pelos bares da cidade, de ouvir e cantar o cancioneiro do Niassa várias vezes, aí vamos nós de avião (agora da DETA, companhia moçambicana) rumo a Porto Amélia.

A partir daqui iríamos embrenharmo-nos na guerra…

T Novas 3.jpg

 Eu, os meus Furriéis e os meus cabos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42

EN2 e a Graça era uma gracinha!

por António Tavares, em 03.05.17

Estrada Nacional 2 e

A Graça era uma gracinha!

A história da Estrada Nacional número 2 perde-se no tempo. Teve origem nos diversos trilhos romanos que foram modernizando os ancestrais caminhos rurais. Alguns troços da actual EN2 ainda coincidem com essas estradas romanas.

Mas o plano do Estado Novo, elaborado a partir dos anos de 1930, incluía uma estrada de Faro a Chaves pelo interior do País. O plano juntava antigas estradas e novas ligações.

O troço mais conhecido é o que atravessa a serra algarvia de Faro a Almodôvar. Porque foi feito de novo e ainda mantem os traços daquele tempo. E naquele tempo havia, de tantos em tantos quilómetros, as casas dos cantoneiros. Cada grupo deles tinha por missão manter um centro número de quilómetros em bom estado: limpavam, cortavam o mato, arranjavam as bermas, faziam pequenos remendos.

Essas casas tinham quartos, sala, cozinha, um pequeno terraço e churrasqueira. Eram de arquitectura simples e típica do estado novo. Estão todas ao abandono e para muitas há planos de recuperação e colocação ao serviço doturismo. Fossemos nós um país rico… Este troço foi mesmo classificado como de interesse público. Existem associações (incluindo de municípios) que querem levar por diante estes planos.

Vem isto a propósito do percurso desta estrada em território de Cardigos. Nesses longínquos anos 30 Cardigos era uma vila com algum poder, mesmo político e fizeram-se várias incursões a Lisboa para forçar que o seu traçado atravessasse mesmo a vila. Andava eu na escola primária e ainda se apontavam a dedo os prédios marcados para serem derrubados para ela passar. Mas Vila de Rei ainda era mais importante tinha o Centro Geodésico de Portugal, na Serra da Melriça. Ora se a EN2 era para atravessar Portugal de norte a sul, pelo centro do país, tinha que passar por ali. E hoje passa mesmo. Sobe mesmo a serra e passa a poucos metros do ponto mais alto. O picoto da Melriça.

Para calar o pessoal de Cardigos foi-lhes prometido fazer depois uma estrada de igual perfil a ligar a EN2 de Vila de Rei a Cardigos. Foi começada. Lembro-me dela desde que fui com o meu pai, de carroça, pela primeira vez, trocar os presuntos por mantas de toucinho ao Vale da Urra. Piso nunca terminado, rugoso, cheio de buracos até para uma carroça. Terminava abruptamente contra uma encosta, logo depois do cruzamento para vale da Urra, depois de cruzar a ribeira da Chaveira e antes da ribeira da Isna e de São João do Peso.

Foi finalmente acabado já depois da revolução. Mas em vez de ir ligar a Vila de Rei foi prolongada mais para cima e vai desembocar perto da Vila da Sertã. Este troço passou a integrar a EN244 que terminava em Cardigos e que assim foi prolongada até à Sertã.

Entre os 15 e os 17 anos, durante as férias de verão, passei a ser o ajudante do padre na missa. Eu até andava a estudar para ser padre. Ia aprendendo. Uma espécie de sacristão. Vinha cedo abrir a Igreja e tocar o sino ao nascer do sol.

Ajudava na missa. E reparava na Maria da Graça. A Maria da Graça era uma gracinha! Bonitinha, cabelo negro escorrido. Foi o meu primeiro amor platónico. Mais nova que eu, teria uns 12 anos. Na missa, ao segurar a bandeja que se colocava debaixo do queixo na altura da comunhão, tocava-lhe com a bandeja no queixo. Não sei se ela alguma vez reparou nisso, ou não. Aos domingos seguia-a no meio da população sem ela dar por isso. Pecava em sonhos. Pecados que nem sabia como eram e daqueles que nem ao padre confessava.

A Graça era da Roda. Tinha pelo menos mais 2 irmãs mais novas. Estudava em Castelo Branco, como o Mário. Nas férias grandes, eu passava as tardes de domingo com os rapazes e raparigas da Roda. A Graça fazia parte do grupo. Divertíamo-nos em passeios pelo campo. Íamos comer fruta à horta de uns e de outros. Havia sempre alguém que tocava gaita-de-beiços. Fazíamos bailes na eira. Chegava-mos a ir tomar banho a tanques de regar as hortas. Eu apenas olhava para a Maria da Graça. E sonhava em silêncio. Eu até era quase padre.

Depois de vir para Lisboa pedi ao Mário que me desse a morada dela. Escrevi-lhe algumas cartas. Ela respondeu-me durante uns tempos. Chegou a mandar-me uma fotografia. Dizia-lhe que gostava de estar com ela quando fosse a Cardigos, para conversarmos. Respondia a dizer que sim.

O problema é que Lisboa, naquele tempo, era muito longe. E trabalhava-se no sábado de manhã. Mesmo quando se deixou de trabalhar aos sábados, apanhar todos os transportes para Cardigos, era para chegar sábado às 14 horas. E no domingo tinha que apanhar a carreira das 2 da tarde.

Esperava por ela aos domingos de manhã na praça para a ver. Ela vinha para a missa das 11. Passava na praça acompanhada da família e fingia que não me via. Ou não me via mesmo.

E assim acabou o meu primeiro amor platónico…

Antes de partir para Moçambique ainda insisti. Queria que fosse minha Madrinha de Guerra. Que me escrevesse.

Não consegui.

Ainda a vi uma vez a subir as escadas do metro nos restauradores…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:47


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D