Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O regresso

por António Tavares, em 16.08.17

O regresso

A minha partida para África não foi da maneira mais comumente publicitada: de barco, milhares de familiares no cais acenando com lenços brancos… não. Saímos de Torres Novas em camiões directamente para o aeroporto militar de Figo Maduro (Portela). Ninguém a despedir-se de nós. Num fim de tarde de Abril de 1972. Num dos 2 Boing 707 brancos da Força Aérea.

Como em Moçambique me separei da minha companhia, acabei por vir de regresso naquilo que se chamava “rendição individual”. Como vinha sozinho (não integrado em nenhuma companhia) o exército não providenciava o meu transporte para além do aeroporto de Lisboa.

Sabendo disso escrevi para os meus irmãos em Queluz avisando da minha chegada. 25 de Maio de 1974. Esperava que me viessem buscar.

Tal como na partida, não havia barco nem familiares no cais acenando. Aterramos na Portela pelas 3 horas da manhã. Ao fim de 2 anos de ausência ninguém me esperava. Vi-me sozinho, com uma mala de mão em pleno aeroporto militar de Figo Maduro. Sem uma única moeda no bolso. Solução? Peguei um táxi e disse ao motorista que acabava de chegar de Moçambique, não tinha dinheiro, que me levasse a Queluz, que algum dos meus irmãos teria dinheiro para lhe pagar. Assim foi.

Recebido sem euforia. Como se fosse um estranho.

Os dias seguintes foram passados a tratar das burocracias: apresentação no quartel de Adidos na Ajuda para receber a carta de passagem à disponibilidade e ida aos serviços financeiros do exército levantar os tais cento e tal contos do sargento. Depositei-os na conta dele no Totta e retive os meus 10%. Foi este o primeiro dinheiro que tive depois de 3 anos de tropa como oficial miliciano, posto este que muito me custou a conseguir, ajudado apenas por quem não me era nada, eram apenas meus amigos.

E ir ter com a Fernanda…

Apresentei-me uns dias depois no escritório do despachante. Podia ter gozado um mês de férias mas não quis. Para quê ir de férias? Disse que precisava de trabalhar já, porque não tinha dinheiro. Concordaram em que começasse de imediato, pois até começava a haver mais movimento no cais com a previsão de chegada dos retornados. E até me deram um ordenado a mais (relativo ao mês de férias que não gozei). Os mesmos 5 contos por mês que já ganhava dois anos antes, antes de ir para a tropa.

Os tempos seguintes foram vividos na euforia do pós 25 de Abril. As barricadas, o PREC, os SUV (Soldados Unidos Vencerão), da reforma agrária, das nacionalizações. De vez em quando aviões e helicópteros no ar. O sr despachante tinha arranjado uma sala para o seu tio trabalhar. Havia sido saneado do SNI (Secretariado Nacional de Informação = propaganda). Numa certa segunda-feira fomos surpreendidos pela entrada dos fuzileiros. Vieram prendê-lo.

Trabalhavam no escritório mais de 80 pessoas. Fez-se uma RGT (reunião geral de trabalhadores), foi eleita uma CT (comissão de trabalhadores), o Manel Lopes ficou como presidente, foi eleita uma Comissão de Gestão, conseguimos que o primo Manel de Moura ficasse do nosso lado. Ele era o mais antigo, amigo e braço direito do patrão, seu comparsa na Opus Dei e nos Cursos de Cristandade.

Os familiares diretos do patrão (filhas e genros) fugiram para o Canadá. Dizia-se que levavam nos caixotes que despachámos no cais, as baixelas e as pratas.

Quando, passados os tempos do PREC, tudo voltou ao normal, o patrão não mais perdoou ao primo Manel de Moura a traição de se ter posto do nosso lado.

Passamos a controlar as contas. Havia muito dinheiro disponível. Foi decidido fazer-se todos os anos a distribuição de lucros igualitária (igual para todos), foi decidido um aumento extraordinário de ordenado. Eu passei de 5.000$00 para 12.500$00. E com retroactivos desde o dia do meu regresso. O suficiente para comprar o meu primeiro carro, um Fiat 128. E a pronto. Logo no dia a seguir a ter recebido o dinheiro, entrei no stand da Fiat na Rua de Santa Marta (mesmo ao lado da pensão onde morava) e comprei o único quer estava disponível: verde.

Já na altura o seguro era obrigatório. Não tinha dinheiro para ele. Escrevi uma carta à minha mãe a contar que precisava de pagar o seguro do carro, para que me mandasse algum do que tinham recebido do meu ordenado durante 2 anos.

Mandou qualquer coisa que nem para metade do seguro chegava. Que tinha sido gasto com este e com aquele e com aquela (meus irmãos). Que mandava o que podia. Ainda hoje eles não percebem que estiveram a gastar durante 2 anos parte do meu ordenado. Sempre pensaram lá em casa que aquele dinheiro era uma compensação do Estado por eu estar na guerra.

Quem me ajudou a pagar o resto do seguro foi o meu futuro sogro (Sr Gervásio Cardoso) a pedido da minha namorada, Fernanda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

Roubaram a minha filha

por António Tavares, em 19.07.17

Roubaram a minha filha

A Fernanda fazia parte da meia dúzia (menos…) das raparigas que se mantiveram até ao fim da minha comissão militar, como minhas correspondentes. Era de longe aquela com quem mais me correspondia e mais desabafava. Já quase nos correspondíamos como namorados.

Até que algures ali pelo início de Janeiro de 1974 deixei de receber cartas dela. Todos os dias lhe escrevia e nada de respostas. E logo agora que acabara de comprar um conjunto de caneta e esferográfica para lhe enviar pelos anos, com o nome dela gravado e tudo. Parece que o mundo todo se estava a desmoronar.

Até que passado algum tempo lá veio uma carta. Abri-a a medo. Temia a resposta. Afinal os meus medos eram infundados. Ela tinha sido atropelada na Av. da Liberdade quando regressava da faculdade, tinha partido uma perna e estava em casa à espera de ser operada.

De um receio passei para outro: do medo de me ter esquecido, mudei para o medo de que algo pudesse correr mal com ela…

O resto do tempo, Janeiro a Maio, passei-o com muita ansiedade.

Assim que regressei a Lisboa telefonei-lhe e combinamos um encontro em casa dela, para o primeiro domingo que foi possível. Saí do comboio no Rossio e comprei-lhe um ramo de rosas vermelhas. Subi a pé a Rua dos Cavaleiros até ao número 5 da Rua de Santa Marinha, 4º andar esquerdo.

Fui recebido em festa. A Dona Palmira esmerara-se a limpar a casa e a preparar uma refeição ligeira.

A Fernanda tinha sido operada. Tinham-lhe colocado uma barra de metal no interior do fémur partido, com um pedaço de fora na anca, para mais tarde ser puxado e retirado. Aos poucos já se levantava e sentava. Mas estava renitente em descer as escadas, mesmo apoiada nas bengalas.

Como trabalhava no Campo das Cebolas e saía às 18 horas, passava quase sempre pela Rua de Santa Marinha. Fazia-lhe companhia, acabava por ficar até ao jantar e só depois seguia para Queluz de comboio. Aos domingos lá vinha eu depois do almoço com um ramo de rosas vermelhas comprado no Rossio. Aos poucos passei a vir almoçar todos os domingos.

A Olga (uma amiga da Fernanda – acabou por vir a ser a madrinha do Bruno) tinha uma filha pequena (Alice) e um Mini. Começamos a levar a Fernanda a dar uns passeios de carro. Depois eu comprei um Fiat 128. Agora já podia levar a Fernanda a passear. Ao princípio a Olga ia connosco. Os pais dela tinham mais confiança e ela sempre ajudava a descer as escadas e nos passeios a pé.

Certo dia diz-me a D Palmira:

- Você foi um anjo que nos apareceu. Cheguei a pensar que ela não ia sair mais de casa.

O sr Gervásio gostava de conhecer a minha família. Lá fomos num domingo até Cardigos conhecer o sr José Maria e a D Delfina. Já todos os meus irmãos se encontravam em Lisboa, pelo que só foram conhecer os meus pais. No regresso a Lisboa fizemos um desvio pelo Gavião onde fomos conhecer o Padre Alberto (superior do seminário local). Ele era um dos dois padres do Casalinho e tinha mantido uma certa simpatia comigo, sempre que ia lá de férias. O irmão (padre Serafim) era pároco em Tolosa (Alentejo).

Os pais da Fernanda tinham-lhe comprado um andar em Odivelas. Passou a ser também um dos nossos passeios de Domingo, ir até Odivelas.

Os pais da Fernanda eram feirantes e faziam feiras em 2 domingos por mês. Nesses domingos em que eles iam para a feira ficava lá em casa a tia Hortense, para tomar conta da Fernanda e nos fazer o lanche. Nos outros domingos íamos os quatro dar uma volta: Mafra, Ericeira e voltávamos por Odivelas. Primeiro na carrinha Austin do sr Gervásio, depois no meu Fiat 128.

Quando acontecia ser feriado em dias de feira nós metíamo-nos nos transportes e íamos ter com eles. Fomos algumas vezes ter a Odivelas à feira do sr Roubado, à segunda-feira. Voltávamos todos no Austin mini. Juntamente com as madeiras da bancada (no tejadilho) e com os artigos da venda na parte de trás.

Nessa altura estava a ser construída a Calçada de Carriche no local por onde ela passa hoje. A descer ia-se pela estrada do desvio, mas a subir era por aquela azinhaga velhinha que em parte ainda lá está. Na altura toda aquela subida nova era (e foi muito tempo) ainda de terra batida. O sr Gervásio acelerava a fundo cá em baixo para subir, mas, na maioria das vezes, o mini parava a meio. Não aguentava. Saíamos os três (eu a Fernanda e a mãe) e tínhamos que empurrar até ao cimo da ladeira.

Mais tarde, já casados, o sr Gervásio trocou o Austin por uma carrinha Ford Cortina. Mesmo assim íamos muitas vezes ter com eles à feira da Malveira (no nosso carro), ou à feira da Brandoa, aos domingos no regresso da Ericeira.

Certo dia, vindo eles da feira da Malveira à quinta-feira, foram ter connosco à casa de Odivelas. Jantaram e porque estavam cansados ficaram lá a dormir. O carro carregado ficou estacionado mesmo à porta. Hora a hora a D Palmira levantava-se para ver se estava tudo bem. E esteve até às 5 horas da manhã. Nessa altura foi à janela e viu o carro assaltado e as botas da venda espalhadas pelo chão.

Levantamo-nos a correr e fomos participar à esquadra da polícia.

Depois eles vieram para Lisboa e foram ter com um sujeito quem, mesmo deficiente e em cadeira de rodas, parece que chefiava um gang e costumava parar numa tasca do Largo Rodrigo de Freitas, perto da casa deles. Diz-lhe ele:

 - Botas? Em Odivelas? Já sei, foi o Zé Luis da Brandoa. Deixe estar que amanhã falo com ele.

E falou e ainda conseguiu trazer alguns pares de botas.

- Olhe sr Gervásio, foi o que ainda consegui. O resto já ele tinha vendido.

Passado uns meses o sr Gervásio foi chamado a esquadra de Odivelas para ser informado que o ladrão não tinha aparecido e que iam arquivar o processo.

- Deixem lá, não faz mal. Já consegui recuperar o que foi possível.

Embalado deixei-me levar pelas recordações. Vamos voltar à narrativa onde íamos…

Aos poucos fui ficando íntimo da família Cardoso. Ofereci um anel de noivado à Fernanda e pedia-a em casamento. Fui aceite. Combinamos o casamento para Agosto de 1976. Assim os passeios de Domingo passaram a servir para visitar a casa de Odivelas e ir combinando a compra das mobílias. O Sr Gervásio comprara a casa pagou toda a mobília.

Aconteceu que o escritório do despachante entrou em autogestão. Estávamos em pleno PREC (período revolucionário em curso) pós 25 de Abril. Tinha sido eleita uma comissão de trabalhadores. O Manel Lopes, Chefe do Grupo Desportivo, foi o eleito. Foi nomeada uma Comissão de Gestão. O meu primo Manel de Moura apoiou-nos. Como era o braço direito do patrão, foi nomeado para a gerência. Já havia antes distribuição de lucros pelos empregados, segundo os critérios que o patrão entendia. Sempre os recebi. Mas nós exigimos acesso às contas e distribuição de lucros igual para todos. Quando, anos mais tarde, tudo isto reverteu, os mais envolvidos nisto tudo foram os mais prejudicados. Eu e o Manel Lopes incluído. Nunca mais recebi lucros e o patrão nunca mais perdoou ao seu braço direito (o meu primo Manel de Moura) a sua traição.

Chegados a Março havia que marcar as férias. Todos queriam os melhores meses. Não ouve consenso. Decisão da comissão de gestão: as férias são gozadas obrigatoriamente entre os meses de Maio a Outubro (segundo a lei) e escolhidas por sorteio.

Tínhamos decidido casar em Agosto e para espanto de tordos cai-me em sorteio o mês de Maio para férias.

Já no ano seguinte (1977) foi decidido anular o sorteio e fazer uma escala para cada um escolher, mediante alguns critérios. Os primeiros a escolher foram os que tinham ido de férias em Maio e Outubro, depois os que foram em Junho e Setembro. Por fim os de Agosto. Nesse ano é claro que eu escolhi Agosto. Naqueles tempos havia a tradição de se gozar um mês seguido de férias.

Mas voltando atrás. Diz o sr Gervásio:

- Não faz mal. Casam em Maio.

Marcamos casamento para o início do mês.

Igreja dos Jerónimos, Copo de água no restaurante Cozinha Velha do palácio de Queluz. Estava tudo combinado quando me deu o badagaio, 15 dias antes da boda, que me levou a ser operado ao apêndice, já com a infecção a passar a peritonite. Foi necessário negociar o adiamento para o dia 18 de Maio. Conseguiu-se. Mesmo acabado de sair do hospital de ser operado, lá casámos.

Eu não assisti. Mas conta-se que a saída da Fernanda de casa dos pais fez furor. À porta do nº 5 da Rua da Santa Marinha um Rolls Royce dos anos 20 descapotável. No átrio da escada jarrões azuis com plantas. O trânsito cortado. Todas as janelas tinham curiosos à espreita.

Dizia depois o primo Vicente do Milharado, sobrinho do Sr Gervásio:

- A Fernandinha podia ter arranjado um carro mais bonito… foi arranjar um carro tão velho…

Eu fui levado no meu Fiat 128 pelo Carlos (marido da minha irmã Helena – meus padrinhos) de Queluz aos Jerónimos. Entrei pela passadeira vermelha até ao altar. Quem casou depois de nós ainda beneficiou: pagámos a passadeira vermelha, as flores e a música. Eles entraram a seguir.

Depois da cerimónia lá fomos para almoçar. Os convidados seguiram nos seus carros. Nós atrás no Rolls Royce. Quando chegamos a Queluz já havia pessoas a querer voltar atrás à nosso procura. É que o velho Rolls Royce viu-se negro para subir os Cabos Ávila.

Almoço fino. Uns camarões à não sei quê, um pato com qualquer coisa. Tudo contado e medido. O sr Gervásio tinha entregado um cheque assinado ao sr Vidal para no fim pagar a conta. Quando vieram os whiskies o sr Gervásio reparou que os empregados os estavam a racionar para não exceder as garrafas combinadas. Chamou um empregado e disse:

- Coloque aqui várias garrafas. No fim pagam-se as que se beberem.

Acabado o repasto e as fotografias, a tia Alice e o Cabral, juntamente com outras pessoas, foram comer sandes para uma tasca que havia em frente.

- Esta comida não é para nós!

Nós não esperamos pelo fim da festa. Mudamos de roupa e fugimos para a casa de Odivelas.

Parece que a D Palmira fez algum banzé:

- Roubaram a minha filha!

Tudo acabou em bem.

No dia seguinte rumámos ao Algarve. Sem nada marcado. Assentámos arraial em Faro e por lá andámos cerca de 10 dias. Até o dinheiro acabar. Não havia multibanco na altura.

No regresso almoçámos em Castro Verde. Pedimos bifes. Acho que pouco mais havia. Mas ao fim de 45 minutos de espera fomos obrigados a chamar o empregado. Que fizesse a conta ao que já tínhamos comido… que não podíamos esperar mais…

Fernanda1.jpg

Era linda ... a minha namorada!

Fernanda Bengala1.jpg

 Os primeiros passeios com a Olga e com a bengala!

Odivelas1.jpg

Na casa de Odivelas. O Bruno ao cola da mãe.

Odivelas2.jpg

Na casa de Odivelas. O presépio que tinha um rio a correr e uma azenha.

Rolls 3.jpg

O pai da noiva a pegar-lhe para a levar ao altar. O medo de sair do Rolls Royce era tanto que até o motorista estava atento.

Depois já casados.

Jerónimos1.jpg

Enfim... já casados.

Penina.jpg

Lua de mel no Algarve. Uma selfie tirada nos jardins do Hotel Penina.

Cheiras acácias e rosas.jpg

Lua de mel no Algarve. Cheirar rosas e acácias na serra de Monchique.

Presunto grelhado.jpg

Lua de mel no Algarve. Aqui comia-se presunto grelhado e bebia-se Schweppes Maracujá. E fumava-se SG Gigante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:41

A casa de Queluz a Nônô e os óculos de cascas de laranja

por António Tavares, em 26.04.17

A casa de Queluz a Nônô e os óculos de cascas de laranja

Mantive-me na pensão da Rua de Stª Marta até à ida para a tropa. Entretanto o Manel também tinha vindo para Lisboa tirar um curso de Offset. Como tínhamos familiares no Ministério da Educação ele conseguiu depois lá um lugar na reprografia. A Lena e a Lúcia também tinham vindo para Lisboa para empregadas internas na casa de uma senhora da sociedade, irmã do Sr Visconde. Tinha sido o primo Manel de Moura que dera um toque ao Sr Visconde. Estiveram lá pouco tempo. A Lúcia foi para uma casa de freiras e a Lena acabou por ir trabalhar também para o Ministério da Educação e alugou uma parte de casa no Bairro Alto.

Estava na tropa em Mafra e vinha a Lisboa aos fins-de-semana. Costumava ficar com ela.

Nessa altura tinha um amigo da Roda, mais velho, que também fora seminarista, o Tonito. Ele tinha uma amiga que conhecera dos seus tempos de tropa na Amadora. Essa amiga tinha mais 2 irmãs. Eram oriundas de Elvas e moravam com os pais na Amadora. Parece que ainda eram conhecidas daquele que cantava “Ó Elvas, Ó Elvas, Badajoz à vista...". Essas raparigas eram interessantes porque a mãe era chinesa de Macau. O pai delas fora lá sargento do exército. E aquela mistura de português e chinês dei-lhes um traço característico.

Sempre que vinha a Lisboa, eu o Tonito tínhamos companhia para o fim-de-semana. Ele com a mais velha e eu com a do meio. Íamos à praia a Carcavelos e ao Estoril, percorríamos os cafés da Reboleira e Amadora, íamos dançar e beber uns copos para uma boite que abria as portas aos domingos à tarde para a malta mais nova e que ficava na Rua Filipa de Vilhena. O Tonito chegou a namorar com a mais velha. Acabou por casar com uma rapariga lá da terra. Eu tentei alguma aproximação à irmã do meio. Foi o meu segundo amor platónico. Ainda hei-de falar do primeiro. Mas sempre que lhe puxava pela conversa ela dizia que tinha um namorado que era piloto da Força Aérea. Nunca o vi. O certo é que passávamos muitos fins-de-semana juntos. Mas fiquei-me apenas pelo amor platónico pela minha chinesinha Nônô…

Quando fui para Moçambique levei o seu contacto. Ainda escrevemos algumas cartas. Nunca existiu empatia e acabou.

Quando regressei da guerra e fui estudar para o ISE estava ela a acabar o curso. Apenas nos cumprimentávamos. Depois encontrava-a regularmente na Rua da Prata. Ela vinha de comboio da Amadora e apanhava o eléctrico para o Arco do Cego. Trabalhava na Casa da Moeda.

Como eu e alguns dos meus irmãos já estávamos em Lisboa foi por sugestão do Tonito que começamos a procurar casa para alugar para todos. Um dia fui com ele a Queluz ver uma casa disponível. Levei lá a Lena e ficamos com ela. Tinha 5 assoalhadas. 2 quartos para os rapazes e 2 para as raparigas.

Atrás de nós vieram os outros todos. Até que ficaram apenas os pais em Cardigos. Eu estava na tropa. E eles lá foram arranjando emprego, a maioria deles no Ministério da Educação. O certo é que a vinda para Lisboa abriu os olhos a eles todos. A maioria acabou por estudar à noite, acabaram por tirar cursos superiores e arranjar empregos melhores.

O Mário também deu as suas voltas na vida. Foi tirar a escola primária a Canha, perto de Setúbal, a casa de familiares da parte da minha mãe. Quando vinha a casa nas férias do Natal trazia de lá laranjas. Eram as maiores laranjas que já vira. Enormes. Tão grandes eram que a minha mãe descascava-as e dava a cada um apenas um ou 2 gomos. Mesmo assim havia guerra pelas cascas. Para comer a parte interior da casca. Estas laranjas serviam para fazer óculos: eu cortava 2 lascas da casca em lados opostos. Depois cortava uma tira da casca entre as duas lascas sem a separar. Por fim tinha que meter a faca por dentro da casca e separar toda a casca do miolo. Enfiava a tira debaixo do chapéu e afastava os dois buracos para os lados, ficando um em cada olho. Era assim que eu brincava.

Depois o Mário esteve no seminário de Poiares. Tentou e não se deu bem. Acabou por ir tirar o liceu a Castelo Branco. Usava a barba grande e os cabelos enormes. Cada vez que vinha ao Casalinho havia sempre discussão com o pai. Quase chegavam por vezes a vias de facto. Ele não queria aquelas guedelhas. Ele veio depois para Lisboa tirar Medicina. Teve ligações esquerdistas. Constou-me, depois de eu vir de Moçambique, que uns dias antes do 25 de Abril alguém ligado à PIDE batera à porta da casa de Queluz a perguntar por ele.

Depois do 25 de Abril as suas ligações esquerdistas levaram-no a participar em actividades de apoio local em locais mais desprotegidos. Num bairro de barracas da Amadora participou na construção de um espaço para apoio social e escolar.

A casa de Queluz serviu para todos nós. Até para receber o pai depois de adoecer e a Mãe quando ficou viúva. Foi lá que faleceu o pai e mais tarde a mãe.

Foi para lá que fui morar quando vim de Moçambique. Foi de lá que saí para ir casar. Lá faleceu o João, vítima de um ataque epiléptico nocturno. De lá saíram os meus irmãos todos menos o Abílio e o Alberto. Quando o senhorio vendeu o andar, o Abílio comprou a parte dele e a parte do Alberto. O Alberto foi depois comprar uma para ele para os lados de Sintra.

A dada altura a minha mãe chamou os filhos todos. O Manel já tinha falecido. Veio a viúva. Havia feito lotes dos terrenos todos como ela entendeu. Escreveu os nomes em papelinhos e enrolou-os. A começar pelos mais velhos cada um tirou um papel. Para mim ficou o Covão do Rocinho e parte do Cabril, entre o estradão e o lado direito da barragem. A casa ficava para todos. Assim evitou a guerra de partilhas e faleceu em paz.

Barragem preta.jpg

 A barragem do Casalinho com água preta, fruto dos incêndios de 2003. A maior parte dela construida em terrenos dos meus pais.

Os terrenos de lá ficaram para um dos meus irmãos. Uma tira que restou do lado de cá ficou para mim.

Covão do rossinho ardido.jpg

O Covão do Rocinho: a horta e os terrenos que me calharam, ardidos em 2003.

À esquerda a Fernanda, a mãe dela (D Palmira) e os meus filhos Bruno e Tiago.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:11


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D