Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Parti a cabeça a um aluno

por António Tavares, em 16.08.17

Parti a cabeça a um aluno

O facto de passar os primeiros meses nos TLP sem chefia, fez com que respondesse aos mini concursos para professor de liceu. E como na altura ainda havia falta de professores, acabei por ser colocado a dar aulas em Lisboa, durante 3 ou 4 anos. Primeiro dei aulas mesmo de dia (ao fim da tarde), depois só aceitei horários nocturnos (suplementares). Dei aulas na Escola Luís de Camões, Liceu D Leonor, escola Nuno Gonçalves, Escola Luísa de Gusmão. Só quando fui colocado num horário totalmente de dia, na escola Manuel da Maia em campo de Ourique é que desisti.

Na escola Nuno Gonçalves apanhei uma turma de repetentes que, de tantas faltas dadas durante o dia, foram passados para a tarde/noite (horário supletivo). Eram oriundos dos bairros de barracas das traseiras da escola: Alto da Eira.

Um dos ditos alunos vinha para a aula de matemática com os braços cruzados.

- Para onde é que vens?

Inquiri.

- Para a aula de matemática…

- E caderno e livros?

- Não é preciso.

- Assim não entras.

Participei dele várias vezes. Até que foi castigado e suspenso da escola.

Certo dia, cerca das 11 da noite, numa noite de verão, dava aulas numa sala do rés-do-chão, com as janelas abertas. O dito cujo entra-me pela janela saltando para o meio da sala e apresentando-se em frente a mim com fato branco de judo, cinturão e matracas enfiados nele.

- Preciso de falar consigo…

Com a calma que só se consegue nestas situações disse-lhe que sim senhor… podíamos falar, mas que seria melhor falar lá fora, longe dos restantes alunos. E enquanto falava com ele fui-me deslocando para a porta. Apercebi-me que o aluno que estava na cadeira mais perto da porta era seu compincha e tinha chegado a carteira para a frente para trancar a porta.

Sem pensar em nada meto a mão por baixo da carteira, levanto-a, atiro-a para cima do compincha e abro a porta. Ao ver a porta aberta o dito cujo volta a saltar pela janela. Saí da sala de aula, vou à secretaria e por telefone ligo para a esquadra. Que a escola tinha sido assaltada… que era preciso vir um piquete. E veio… e levaram-no. Do resto não me lembro mais.

Só sei que uns dias mais tarde ao acabar as aulas perto da meia-noite, tinha os 4 pneus do Fiat furados. E na rua em frente um grupo de rapazes ria às gargalhadas. E desse grupo sobressaía o dito cujo…

Doutra vez na escola Luísa de Gusmão apanhei outro sorna mas brincalhão. Não estudava nem deixava estudar. Cada vez que me virava para a frente punha-se a fazer negaças e distraía toda a turma. Pu-lo na rua vezes sem conta. Depois ia para o recreio fazer as mesmas negaças junto da janela que estava aberta e também ficava no rés-do-chão.

Um certo dia coloquei a régua de madeira debaixo do braço, junto do corpo e fui-me chegando para a janela enquanto a aula ia decorrendo. E quando me apercebi que ele estava atrás de mim, sem me virar fiz um arco com a mão e com a régua de tal modo que lhe acertei mesmo na testa. Partiu a testa e foi mesmo receber assistência médica.

Mas ficou meu amigo. Mais tarde encontrei-o a trabalhar numa mercearia da rua Andrade e quando me viu agarrou-se a mim e fez uma festa:

- Olha o doutor…

E quando certo dia fui concorrente do 1-2-3 da RTP, apresentado pelo Carlos Cruz, ele estava presente porque fazia parte do público arregimentado para bater palmas. Mais uma vez me fez uma grande festa e arregimentou mesmo uma claque para me apoiar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:24

Finalmente Dr

por António Tavares, em 16.08.17

Finalmente Dr

No verão de 1974 (pós 25 de Abril) o governo decidiu que as faculdades não iriam ter primeiros anos nesse ano. Foi aqui que se gerou uma confusão com toda uma geração que nesse ano devia entrar nas faculdades. Foi resolvida com a criação do ano propedêutico, mais tarde 12º ano.

Mas os ex-militares sempre gozaram de um estatuto especial porque, para os compensar da ida à guerra, podiam tirar cursos com currículos abreviados. Em Outubro desse ano juntamo-nos no ISE (hoje ISEG) e exigimos ter aulas nesse ano. Criou-se uma comissão, combinamos com os professores que foi possível. Criou-se um currículo só para nós e apresentámos a proposta. Não foi aceite.

Insistimos no ano seguinte 1975/1976. Já havia primeiros anos, mas nós, ex-militares conseguimos mesmo uma turma e um currículo especial para nós. De Outubro a Março fizemos 2 anos (1º e 2º) e de Março a Julho fizemos o 3º ano. Ou seja o curso de 5 anos foi tirado por nós em 3 anos. E não havia ainda Bolonha….

Foi durante a minha licenciatura que a secretária dos patrões se incompatibilizou comigo. A princípio gostava muito de mim e tratava-me quase como filho. Quando comecei a estudar no ISE metia por vezes baixa na altura dos examos para estudar. Mas ia às aulas que começavam pelas 19 horas. Ela saía do escritório pelas 18 horas e deslocava-se para casa em Campo de Ourique. Cruzávamo-nos muitas vezes nos nossos carros no mesmo percurso. Fez-me a vida negra a partir daí: queixas ao patrão, que estava de baixa mas ia para a faculdade, participações à Segurança Social, etc. Nunca mais me pode ver.

A última discussão do último trabalho da última cadeira do último ano feita, já nós estávamos de férias na Ericeira, numa manhã de um domingo de Agosto, em plena esplanada do Jardim das Estrela, a olhar para os patos e a beber uma imperial…

Média de 13 valores. Nem Bom nem Mau… assim, assim…

Em 1982, acabada a licenciatura, comecei a procurar nova profissão. Até porque com a adesão primeiro à EFTA, depois à CEE, começaram a ser eliminadas as barreiras alfandegárias e previa-se que a profissão de despachante tenderia a desaparecer com o tempo. Não desapareceu mas veio mais tarde a ser muitíssimo reduzida.

Eu e um grupo de despachantes licenciados criamos um grupo de pressão para sermos integrados na própria Alfândega. Nunca dei muita importância a esta solução que veio mesmo a acontecer mais tarde, porque o que queria era mudar para outra área.

Comecei a responder a anúncios na área da gestão, informática, sistemas, etc…

Qual não foi o meu espanto quando numa entrevista para uma empresa de sistemas de informação sou recebido por uma das filhas do patrão Despachante Oficial. Ela conheceu-me e eu conheci-a. Afinal aquela empresa também era de um dos meus patrões.

Dois dias depois o sr Visconde chamou-me. Cristão, opus dei, benfeitor de igrejas e de hotéis de padres em Fátima… Que era indesejado ali no escritório, que estava a dar a morada e o telefone do escritório como se fossem meus para eu receber contactos…

- Se tem algum motivo para me despedir, despeça-me…

O nosso sindicato tinha negociado um ACT que previa o pagamento de 6 meses de ordenado por cada ano de trabalho. E já eram 13.

- Não te despeço porque não tenho motivos para isso. Mão não gosto de ti aqui. Arranja emprego e vai-te embora…

Felizmente, logo em Setembro de 1982, acabei chamado para os TLP. Trabalhar em Organização e Métodos.

Apresentei ao patrão uma carta reivindicativa onde dizia que só ficava se me pagasse isto e isto e mais aquilo. Que era o que ia ganhar num novo emprego que conseguira. Mentira! Fui ao sindicato e informei-me daquilo que teria direito em caso de me ir embora. Levei uma carta do advogado do sindicato e entreguei-a no escritório. Pagaram-me rigorosamente o que a carta dizia. Exigi uma carta de recomendação onde fossem explicadas as minhas capacidades profissionais.

Antes de me ir embora o patrão chamou-me, deu-me a dita carta de recomendação e pediu-me para assinar um acordo em eu e ele acordávamos numa saída por mútuo acordo. Acedi. Afinal já não valia a pena fazer mais guerras. Já não me lembro do conteúdo da carta de recomendação. Mas sei que foi feita em termos elogiosos.

Entrei para os serviços de organização dos TLP em Outubro de 1982. À experiência por 6 meses. Eu o Fernando Carvalho e a Clementina (mais tarde professora no ISCTE e responsável pelos mestrados). Entramos numa altura do boom das comunicações, num período de profundas transformações, Marconi, CTT, TLP. Fusão, não fusão. Gestão comum, gestão separada…. Empresas todas na área da gestão pública. Entram novos gestores mas não saem os antigos. Compra-se um prédio para ficarem todos nas prateleiras, com secretárias e tudo…

Nesta confusão passaram-se 10 meses, nós estávamos num prédio velho da Rua das Pretas. Sem chefia. Sem nenhuma orientação. Íamos ter com os responsáveis da Rua Andrade Corvo e só nos diziam:

- Deixem-se lá estar. Alguém irá ter convosco…

E assim passaram os 6 meses e nós entramos definitivamente para os TLP.

Quando finalmente assentou uma estrutura na empresa e tivemos um director, fomos fazer um curso de 10 meses de Organização e Métodos. Curso com interesse mas que nunca conseguimos aplicar. As guerrilhas internas nunca permitiram. Estava responsável pelo estudo das secretarias administrativas das centrais telefónicas. Fiz muitas análises e propostas de solução. Foram poucas as que foram implementadas.

E quando um dia acompanhei o nosso director numa visita ao departamento de engenharia dos TLP disse-lhe, orgulhoso:

- Aqui está o meu primeiro trabalho de organização nesta casa: a reorganização deste espaço para criar um gabinete para a secretária…

 Nem me deixou acabar e à frente de toda a gente (umas 20 ou 30 pessoas), com uma mão na anca e a outra a apontar em arco para toda a sala por cima das pessoas disse em voz grossa:

- Pois o meu primeiro trabalho em organização nesta casa foi mudar o mobiliário todo desta gente. Quando cheguei tinham secretárias de madeira do tempo dos ingleses. Eu comprei secretárias metálicas modernas e funcionais para toda a gente…

Toma e embrulha! Tive que me reduzir à minha insignificância…

Este director era muito conhecido pelo seu ar de galã (de que se dizia que tinha muito proveito) e de peito levantado. Sempre bem relacionado mas distante dos seus subordinados. Quando, passados 2 anos, mudei para outra área de trabalho dentro dos TLP convidei todo o pessoal da área de Organização e Métodos para uma sardinhada na nossa Casa da Paria na Ericeira. Ele também foi. Coisa que espantou toda a gente, porque normalmente ele não alinhava neste tipo de iniciativas. E até levou a esposa. E os filhos. E até segurou na mangueira para se lavarem os pratos. Dizia a esposa para a Fernanda:

- Oh… é só isso que ele sabe fazer, pegar na mangueira…

Involuntariamente ainda lhe pregamos uma partida sem querer. O carpinteiro tinha-nos entregue a mesa e os bancos da adega na véspera. Como eram de pinho quisemos passa-los todos com bondex. Não sei porquê no banco na ponta onde ele se sentou (à chefe) o bondex não secou. E quando se levantou ficou com os calções brancos do ténis manchados de bondex no rabo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26

O regresso

por António Tavares, em 16.08.17

O regresso

A minha partida para África não foi da maneira mais comumente publicitada: de barco, milhares de familiares no cais acenando com lenços brancos… não. Saímos de Torres Novas em camiões directamente para o aeroporto militar de Figo Maduro (Portela). Ninguém a despedir-se de nós. Num fim de tarde de Abril de 1972. Num dos 2 Boing 707 brancos da Força Aérea.

Como em Moçambique me separei da minha companhia, acabei por vir de regresso naquilo que se chamava “rendição individual”. Como vinha sozinho (não integrado em nenhuma companhia) o exército não providenciava o meu transporte para além do aeroporto de Lisboa.

Sabendo disso escrevi para os meus irmãos em Queluz avisando da minha chegada. 25 de Maio de 1974. Esperava que me viessem buscar.

Tal como na partida, não havia barco nem familiares no cais acenando. Aterramos na Portela pelas 3 horas da manhã. Ao fim de 2 anos de ausência ninguém me esperava. Vi-me sozinho, com uma mala de mão em pleno aeroporto militar de Figo Maduro. Sem uma única moeda no bolso. Solução? Peguei um táxi e disse ao motorista que acabava de chegar de Moçambique, não tinha dinheiro, que me levasse a Queluz, que algum dos meus irmãos teria dinheiro para lhe pagar. Assim foi.

Recebido sem euforia. Como se fosse um estranho.

Os dias seguintes foram passados a tratar das burocracias: apresentação no quartel de Adidos na Ajuda para receber a carta de passagem à disponibilidade e ida aos serviços financeiros do exército levantar os tais cento e tal contos do sargento. Depositei-os na conta dele no Totta e retive os meus 10%. Foi este o primeiro dinheiro que tive depois de 3 anos de tropa como oficial miliciano, posto este que muito me custou a conseguir, ajudado apenas por quem não me era nada, eram apenas meus amigos.

E ir ter com a Fernanda…

Apresentei-me uns dias depois no escritório do despachante. Podia ter gozado um mês de férias mas não quis. Para quê ir de férias? Disse que precisava de trabalhar já, porque não tinha dinheiro. Concordaram em que começasse de imediato, pois até começava a haver mais movimento no cais com a previsão de chegada dos retornados. E até me deram um ordenado a mais (relativo ao mês de férias que não gozei). Os mesmos 5 contos por mês que já ganhava dois anos antes, antes de ir para a tropa.

Os tempos seguintes foram vividos na euforia do pós 25 de Abril. As barricadas, o PREC, os SUV (Soldados Unidos Vencerão), da reforma agrária, das nacionalizações. De vez em quando aviões e helicópteros no ar. O sr despachante tinha arranjado uma sala para o seu tio trabalhar. Havia sido saneado do SNI (Secretariado Nacional de Informação = propaganda). Numa certa segunda-feira fomos surpreendidos pela entrada dos fuzileiros. Vieram prendê-lo.

Trabalhavam no escritório mais de 80 pessoas. Fez-se uma RGT (reunião geral de trabalhadores), foi eleita uma CT (comissão de trabalhadores), o Manel Lopes ficou como presidente, foi eleita uma Comissão de Gestão, conseguimos que o primo Manel de Moura ficasse do nosso lado. Ele era o mais antigo, amigo e braço direito do patrão, seu comparsa na Opus Dei e nos Cursos de Cristandade.

Os familiares diretos do patrão (filhas e genros) fugiram para o Canadá. Dizia-se que levavam nos caixotes que despachámos no cais, as baixelas e as pratas.

Quando, passados os tempos do PREC, tudo voltou ao normal, o patrão não mais perdoou ao primo Manel de Moura a traição de se ter posto do nosso lado.

Passamos a controlar as contas. Havia muito dinheiro disponível. Foi decidido fazer-se todos os anos a distribuição de lucros igualitária (igual para todos), foi decidido um aumento extraordinário de ordenado. Eu passei de 5.000$00 para 12.500$00. E com retroactivos desde o dia do meu regresso. O suficiente para comprar o meu primeiro carro, um Fiat 128. E a pronto. Logo no dia a seguir a ter recebido o dinheiro, entrei no stand da Fiat na Rua de Santa Marta (mesmo ao lado da pensão onde morava) e comprei o único quer estava disponível: verde.

Já na altura o seguro era obrigatório. Não tinha dinheiro para ele. Escrevi uma carta à minha mãe a contar que precisava de pagar o seguro do carro, para que me mandasse algum do que tinham recebido do meu ordenado durante 2 anos.

Mandou qualquer coisa que nem para metade do seguro chegava. Que tinha sido gasto com este e com aquele e com aquela (meus irmãos). Que mandava o que podia. Ainda hoje eles não percebem que estiveram a gastar durante 2 anos parte do meu ordenado. Sempre pensaram lá em casa que aquele dinheiro era uma compensação do Estado por eu estar na guerra.

Quem me ajudou a pagar o resto do seguro foi o meu futuro sogro (Sr Gervásio Cardoso) a pedido da minha namorada, Fernanda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D