Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Primeiro Natal da Maria Clara

por António Tavares, em 27.12.17

Primeiro Natal da Maria Clara

Este foi o teu primeiro Natal no meio de nós. Acabaste de fazer 11 meses. Estiveste como sempre risonha, bem-disposta, sem chorar nem fazer birras.

Na Casa da Paria estavas tu e os teus pais. Os teus avós de Lisboa e o teu avô da Guarda. Os teus tios de Lisboa e o Torps. O teu pai fez qualquer brincadeira contigo e com o Torps que ele não gostou muito. Ainda te ladrou. Mas sabes, como tu agora és o centro das atenções e ele é um ciumento do caraças, não gostou muito da brincadeira. Mas deixa que isso passa-lhe. Quando tu andares e puderes brincar com ele vais ver que ele vai gostar de ti.

O teu avô faz pela 40ª vez as filhoses de Natal.

Ninguém me ensinou a fazê-las. Via a minha mãe a fazê-las e fixei na memória. Quando me casei, em 1975, comecei a faze-las todos os anos. Neste, ainda por cima com a tua presença, não podia fugir à regra.

O teu tio Tiago pediu-me que não me esquecesse de escrever a receita. Há muita maneira de fazer filhoses. Eu faço assim:

Ingredientes:

2 Quilos de farinha 65

2 Saquetas de fermento do padeiro

10 Decilitros de leite morno

Raspa e sumo de uma laranja

Meio quilo de abóbora cozida e esmagada

1 Cálice generoso de vinho do porto

1 Dúzia de ovos

Confeção:

Deita-se num alguidar grande 1 quilo de farinha. Abre-se um buraco no meio onde se deitam os ingredientes. Primeiro o fermento e o leite morno para o desfazer. Vai-se mexendo com uma mão. Depois deita-se o sumo e a raspa da laranja, a abóbora e o vinho do porto. Por fim os ovos inteiros, um a um. Vai-se mexendo sempre.

Num alguidar pequeno ao lado deita-se o outro quilo da farinha. Enquanto com uma mão se vai mexendo e enrolando a mistura, com a outra mão vai-se adicionando farinha até todo o conjunto formar uma bola que se consiga separar da mão e das paredes do alguidar. Para facilitar vai-se afastando a massa das paredes e espalhando a farinha nelas e no chão do alguidar.

Logo que faça uma bola é preciso amassá-la com as duas mãos, batendo e enrolando e virando, durante longos, longos minutos. Vai-se pondo farinha nas mãos e à volta para não pegar.

Quando a bola estiver homogénea, espalha-se farinha nas paredes e no chão do alguidar e deixa-se a bola a repousar no fundo. Tapa-se o alguidar com um pano e com casacos de malha. Deixa-se a levedar num sítio quente (não muito quente) sem nunca as destapar, durante 3 ou 4 horas.

Coloca-se uma frigideira funda o lume com óleo novo. Coloca-se um pouco de óleo numa chávena. Com os dedos molhados em óleo retira-se um pedaço de massa que forme uma bola com cerca de 4 a 5 centímetros. Vai-se esticando entre os dedos ou em cima de um prato, ou de uma tábua, untados com óleo, de modo a que fique mais grossa em redor a mais fina no meio. Deita-se no óleo já bem quente. Vai-se virando até que fiquem loirinhas dos dois lados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D