Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Quem somos. Em www.promagala.pt

por António Tavares, em 11.09.17

Quem somos

(do site www.promagala.pt)

A Promagala é herdeira da ancestral tradição de venda de artigos militares na Feira da Ladra em Lisboa.

Velha de séculos, a Feira da Ladra sempre foi conhecida pela venda de toda a espécie de bugigangas, quinquilharias, velharias e artigos militares.

O ponto alto da venda de artigos militares aconteceu durante a guerra colonial, devido ao elevado número de efectivos das forças armadas.

Era na Feira da Ladra que os soldados vinham vender os restos de fardamentos que lhes tinham sobrado após a passagem à disponibilidade e era também lá que procuravam uma ou outra peça, mesmo velha, que lhes faltava para efectuar o espólio.

Era também na Feira da Ladra que acabavam por ser vendidos muitos dos velhos artigos de fardamento vendidos nos leilões do exército, após serem reciclados e reaproveitados, tornando-se úteis para os operários e para os trabalhadores agrícolas.

As calças e os casacos eram cosidos por diversas mulheres em diversos becos e vielas de Alfama e São Vicente de Fora. Nos mesmos becos e vielas alguns operários remendavam as velhas botas com meias solas elaboradas de velhos pneus e estas partiam depois, ensacadas, de comboio, para terem uso em diversas regiões do país.

À zona da Feira da Ladra veio parar, nos longínquos anos 50 do século 20, o Sr Gervásio, sapateiro, oriundo da Roussada, Milharado, Mafra.

Aqui arranjou emprego num sapateiro com banca na entrada do prédio nº 5 da Rua de Santa Marinha. Com a reforma do patrão tomou a seu cargo a respectiva banca. Nessa banca começou a remendar as primeiras botas da tropa.

Como as vendas iam crescendo foram sendo admitidos como empregados outros sapateiros, chegando a ser mais de 20, ocupando armazéns desde o Beco do Maldonado ao Beco dos Lóios.

Na Rua de Santa Marinha acabou o Sr Gervásio por conhecer a D Palmira, oriunda da Coelhosa, Alvares, Góis, perto da Pampilhosa da Serra, zona de onde é originária a maioria da população desta zona de Lisboa e resolvem constituir família.

A D Palmira acaba por ir vender roupa usada para a Feira da Ladra, juntamente com outros familiares. Daí a vender roupa da tropa foi um passo.

Surgem entretanto problemas e o Sr Gervásio não encontra no mercado material para trabalhar. Chega a criar modelos de calçado próprios mas a sua produção e escoamento para o mercado vão sendo cada vez mais difíceis.

As dificuldades aumentam com o 25 de Abil de 1974. Os empregados vão sendo reduzidos até que se vai embora o último e o Sr Gervásio e a D Palmira acabam por ir vender fardamento e botas militares para as Feiras à volta de Lisboa: Malveira, Odivelas, Brandoa e claro, na Feira da Ladra.

Com o tempo as feiras fora de Lisboa são deixadas e ficam apenas com a venda na Feira da Ladra.

Entretanto em 1952 nascia a única filha deste simpático e trabalhador casal a Fernandinha.

Por caprichos do destino a Fernanda vem a corresponder-se com o António entretanto em serviço militar em Moçambique.

O António é Alferes Miliciano, oriundo de Cardigos, Mação. Depois da quarta classe ingressa no seminário em Coimbra, passa por Fátima até que em 1968 abandona os padres e ruma a Lisboa.

Finda a guerra colonial o António regressa ao seu emprego de Despachante na Alfândega de Lisboa. Casam em 1975. O Bruno nasce em 1977 e o Tiago em 1985.

O António percorre sucessivamente empregos nos TLP, na PT e na Marconi.

Coincide em 2000 o facto de a Marconi ser integrada na PT e o Sr Gervásio se sentir cansado para continuar com a venda na sua banca da Feira da Ladra.

O António pede a reforma antecipada na Marconi e vai acompanhar a esposa na venda de artigos militares na Feira da Ladra.

Aos poucos alargam o negócio para a venda de Botas e Fardamentos para actividades específicas: Empresas de Segurança, Desportos de Aventura, Caça, etc.

Em 2006 passam o negócio a empresa e nasce a Promagala, Lda, tendo como sócios os 4 membros da família.

Em 2007 abrem a sua primeira loja em Lisboa.

No final de 2007 criam a sua própria página na internet.

Eis-nos ............

Promagala.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52

Não… tu és inegociável

por António Tavares, em 08.09.17

Não… tu és inegociável

Como não era político nem tinha padrinhos, sempre tentei que valorizassem o meu trabalho e me reconhecessem mérito por isso. Como era meu propósito não me demorar muito em cada emprego, sempre que me convidavam (e eu gostava do que ia fazer) mudava. Com isso era de facto reconhecido, mas quando se tratava de nomeações para cargos de decisão… nada.

Entrei para a Marconi, era esta uma empresa das mais bem cotadas no mercado. Ganhava 18 ordenados por ano. Recebia todos os prémios. Tinha a empresa participações em cabos submarinos e satélites pelo mundo inteiro. Tinha na altura cerca 3.200 empregados. Quando me reformei, já com a Marconi integrada na PT, tinha apenas 220 empregados.

Por vezes quando mudava de local de trabalho a Fernanda aparecia com o Bruno e o Tiago a esperar-me, no segundo ou terceiro dia, à porta do trabalho. Ela pensava que eu não percebia. Era para dizer às minhas colegas: tenham juízo, ele é casado e tem 2 filhos. Mas nunca me preocupei. Eu até gostava de ver os meus filhos, lindos e bem vestidos, vir esperar o pai à saída do emprego.

Trabalhava em Organização na Marconi e ao lado trabalhava em informática um engenheiro electrotécnico com formação em gestão. Ele estava a desenvolver uma aplicação em Lotus 123 para a Direcção de Pessoal fazer os orçamentos dos custos com pessoal. Como ele também tinha formação em gestão (e amigos) começou a ser convidado para acompanhar a administração em viagens de negócios pelo mundo. Como a compra da Vivo no Brasil. Para onde acabou de ir trabalhar. Como ninguém sabia trabalhar com o Lotus 123 lá fiquei eu a gerir e ampliar essa aplicação de gestão de pessoal. Quando dou por mim quem geria essa informação, na Direcção de Pessoal era a doutora que fora preterida na minha entrada para a empresa. Eu entrei porque fiquei em primeiro. Ela entrou depois para a Direcção de Pessoal porque arranjou lá contactos. Trabalhava lá pelo menos uma irmã dela. Fiquei a fazer a manutenção dessa aplicação até ao fim dos meus dias na empresa. Ela fazia a “manutenção” da informação. E isso é que dá dividendos.

Trabalhava na altura no controlo de gestão um doutor também com nome sonante e que também queria altos voos. Desenvolveu uma aplicação em DBase III para o controlo de gestão. A directora veio ter comigo perguntando se não queria ocupar o lugar dele, porque ele ia sair. Disse que sim e fui. Mantive até ao fim da empresa esta aplicação. Alterei-a, ampliei-a, desenvolvi mesmo outras funcionalidades. A directora dizia mesmo: era disto que eu estava à espera e a precisar.

Sempre fui muito organizado e arrumado. Nunca tinha papéis em cima da secretária. O que era para tratar, tratava. O que era para arrumar, arrumava. Mesmo a informação nos meus PC´s esteve sempre também tão arrumada que os PC´s nunca se enchiam de “lixo”. Havia pessoas (como a directora) que trocavam de PC´s todos os anos. Os meus duravam 3 ou 4 anos. Por fim não permiti que me trocassem o PC. Porque os novos já não corriam programas em MS.DOS como o DBIII. Ainda tentei transferir os programas para outras bases de dados como o DBIV ou Acess. Mas nunca tive apoio.

Entretanto o lugar da minha chefia direta ficou vago. Tentei junto da directora que me promovesse. Até gostava de mim. Até tinha elogiado o meu trabalho. Qual quê! Quem veio ocupar o cargo vindo directamente de fora foi o marido da doutora para quem fazia os orçamentos de pessoal. Politiquices e amizades.

Na secção de Contabilidade Analítica trabalhava outro doutor que sonhava com voos tão altos que chegou mesmo a Secretário de Estado. Na altura desenvolveu um interface entre a contabilidade geral e analítica. Mas para ele era pouco. Quem ficou a manter (e a desenvolver) a aplicação? Eu.

Como tinha isenção de horário trabalhava muitas vezes até tarde. A Fernanda afinava. Tinha que ser. Cheguei a vir de férias e mesmo com febre ir, no fim–de-semana, correr as rotinas do controlo de gestão. Uma vez estive com gripe em casa e a secretária da directora trouxe-me a casa os dados da contabilidade para eu correr as rotinas no meu PC de casa. E voltou depois para levar os resultados.

Nesta altura estavam-se já a negociar as rescisões amigáveis, tendentes à redução de pessoal, para a integração na PT. Havia quem recebesse 40 mil contos para se vir embora. Eu pus logo o dedo no ar. Também me quero ir embora.

- Não. Tu és inegociável. Precisamos cá de ti.

Conjuntamente com o administrador da área de pessoal e a minha directora, desenvolvi uma aplicação em Excel para analisar, empregado e empregado, quanto custaria à empresa manter cada um até à idade da reforma. Servia para negociar as indemnizações. Eu, por exemplo, custaria à empresa 150 mil contos até me reformar.

- A mim basta que me dêem só 100 mil contos, que me vou já embora …

Tive que ficar até ao fim.

Certa noite, tinha, sentados a meu lado, a directora e o administrador de pessoal. A Fernanda, com o jantar na mesa (e os pais dela em casa para jantar), ligava-me vezes sem conta.

- Mais meia hora…

Eles queriam avançar com a análise dos valores a pagar pelas rescisões dos empregados. Insistia que ficasse mais um pouco. A dada altura levantei-me e disse:

- Continuem vocês. Eu vou-me embora.

Nunca mais recebi prémios de avaliação.

Eu fazia pressão para sair da Marconi reformado, por várias razões: tinha 52 anos, 32 anos de descontos e a Marconi tinha uma Caixa de Previdência própria. Para além da reforma calculada pelas regras oficiais, davam um adicional de mais 30%, garantido até ao fim da vida.

Para além disso, tive conhecimento de colegas que já tinham seguido para a PT e nem cadeira tinham para se sentar. Eu não queria isso.

Já a Marconi tinha acabado quando fiz barulho e me levaram ao médico da Caixa de Previdência. Fiz um RX à coluna e diz-me ele:

- Você tem aqui já razões suficientes para se reformar.

Reformei-me e ainda me deram algum dinheiro como compensação.

Com a integração da Marconi na PT também as caixas de previdência das várias empresas de grupo PT foram integradas. Mais tarde com a crise de 2011/2014 o estado precisava de dinheiro e integrou todas estas caixas na Previdência Social. Passei a ser reformado pago pelo estado. Deixei, até hoje, (2017) de ter aumentos. Sofri mesmo os cortes impostos a todas as reformas que passavam dos valores mínimos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:25

Dr e Mestre

por António Tavares, em 21.08.17

Dr e Mestre

Os meus contactos pessoais ou políticos nunca foram muitos. Sempre me vali do meu trabalho. Em termos profissionais também sempre achei que nunca se deveria permanecer muito tempo no mesmo lugar. Apenas o tempo suficiente para se apreender o essencial da função e partir para outra…

Gostava do trabalho de Organização e Métodos. Era o responsável pelo estudo do trabalho das secretarias administrativas da área técnica, mas quando se criou uma estrutura hierárquica interna foi o Fernando Carvalho que foi nomeado chefe da Área Administrativa. Lavrei o meu protesto, mostrei a minha indignação e comecei a procurar novo emprego.

O Fernando Carvalho (já chefe) conseguiu o apoio da empresa (TLP) para ir tirar um mestrado. Eu não consegui esse apoio (também não o pedi) mas fui por minha conta. ISE, mestrado em Economia, ramo Planeamento.

O novo responsável pela Direcção de Planeamento pretendeu dar alguma modernidade ao funcionamento de toda a direcção. Encomendou um IBM PC. O primeiro a entrar naquela direcção. Até aí tudo era feito manualmente. Ninguém sabia mexer com ele. Nem queria aprender. Quando soube deste facto fui-me apresentar.

- Quero eu. Até estou a tirar o mestrado em planeamento…

E fui. Fui trabalhar para a área de Planeamento e Controlo da Direcção de Planeamento dos TLP. Fui tirar um curso de Lotus 123 (uma das primeiras folhas de cálculo). Passei todas as tarefas rotineiras mensais para folhas de cálculo. Todos os meses bastava acrescentar os valores mensais e imprimir os relatórios.

Folhas de cálculo, processador de texto, Lotus Freelance (grafismos), software de apresentações, etc. De tudo me vali para dar uma volta nas apresentações das reuniões mensais de controlo. Foi um secesso. E só havia uma impressora de agulhas. O próprio logotipo dos TLP foi desenhado por mim, ponto a ponto com o Freelance. E a cores. Foi necessário comprar uma nova impressora e a cores. Foi a primeira vez que apareceu o logotipo dos TLP a encimar mapas ou apresentações. E toda a gente que produzia mapas e apresentações o passou a utilizar.

O responsável pela área de controlo operacional recebeu mesmo um louvor público pelo sucesso das suas apresentações nas reuniões de controlo. Quis que fosse trabalhar com ele. Não autorizaram a minha transferência.

Numa das cadeiras do mestrado discutia-se o conceito de Gestão por Objetivos. O professor tinha no currículo a participação em gestão de grandes projectos a nível internacional, mesmo no âmbito da ONU, como o caso que nos narrou da construção de um sistema de túneis para trazer a água subterrânea do meio do deserto do Sara para Trípoli (capital da Líbia). O rio subterrâneo passou a nascer em Trípoli através de uma cascata.

Explicava ele que num projecto de devem começar por definir o objectivo final e depois vir para trás indo definindo objectivos parcelares necessários para se obter o objectivo seguinte. Quando se chega ao início tem-se a visão de todo o projecto e dos caminhos possíveis ou alternativos. Podem assim fazer-se opções consistentes para atingir o objectivo final.

- Isso é muito giro, professor, para grandes projectos. Mas eu trabalho com pequenos projectos…

- Isto aplica-se a todo o tipo de projectos. Mesmo da natureza individual. Quer um exemplo? Um rapaz aos 15 anos faz o projecto da vida dele. Objectivo final: ser rico aos 35 anos. Caminho para lá chegar? Ser médico. E dentista. E dentista porquê? Porque cada pessoa representa 32 doentes. E com consultório nas Avenidas Novas. Mas para isso tenho que entrar em medicina. E para entrar em medicina tenho que acabar o liceu com 18 valores, pelo menos. Então qual é o ponto de partida? Estudar muito. Mas podemos sempre estudar alternativas. Querem uma alternativa? Casar com uma mulher rica! E o caminho? New look, vestir bem e frequentar sítios chiques…

Acabado o mestrado achei que tinha que partir para outra. Dentro dos TLP não conseguia que alguém me valorizasse mais. Recomecei a responder a anúncios.

Para me compensar de qualquer maneira, o director, (que até gostava do meu trabalho, mandou-me 8 dias para Nice participar num congresso de computação gráfica. 1988. Achei que era um prémio e fui.

Uma vez um engenheiro amigo meu levou-me a um almoço dos TSD (trabalhadores social democratas). Na nossa mesa estava um chefe de gabinete do ministro da administração interna. Conversa puxa conversa fui chamado para chefiar um projecto de informatização numa das secretarias. Era sob requisição, mas aceitei.

Quando chegou aos TLP a minha requisição tive que desistir porque entretanto tinha concorrido para a Marconi e tinha sido chamado. E entre um lugar provisório (mas político) e um lugar não político mas definitivo, eu optei pelo último.

Estávamos mais uma vez no boom das telecomunicações. Passava pela minha mão o controlo do dinheiro gasto nas empresas em que os TLP participavam. E todos os meses eram enterrados milhares de contos na TMN, empresa em formação e participada de forma igual pelos CTT e pela Marconi. Nas reuniões de controlo toda a gente dizia que o futuro eram as comunicações móveis.

- Imaginem um engenheiro a fiscalizar uma obra, tem dúvidas sobre a evolução de um certo trabalho, pede uma imagem duma peça. Tira uma fotografia do local e manda para o escritório…

Diziam.

- Mas está tudo maluco ou quê? Pensei eu. Alguma vez será possível que saia um fax de dentro de um telemóvel?

À vista de hoje portei-me mesmo como um velho do Restelo!

Dos anúncios a que respondi fui chamado para uma entrevista para a Marconi – Direcção de Informática e Organização. Falhei a primeira entrevista porque a minha sogra estava doente e para dar apoio em casa não fui à entrevista. Marcaram para outro dia e voltei a faltar. Falei por telefone com a pessoa que ia fazer a entrevista e diz ele:

- Não faz mal. Você está nos TLP, não é? Vá à consultora fazer os testes psicotécnicos que eu prescindo da entrevista.

A guerra entre as empresas era tão grande que bastava eu estar nos TLP para ser aceite na Marconi.

Fiquei em primeiro e fui chamado.

Quando fui avisar o director que me ia embora para a Marconi, diz-me ele:

- Agora que consegui para si um lugar de Chefe de Divisão?

Se conseguiu ou não, não sei. Talvez pudesse ter conseguido, porque passados alguns meses foi nomeado administrador.

Mas entrei para a Marconi em Outubro de 1989. Mais uma vez à experiência de 6 meses, sem a Fernanda saber. Isenção de horário, 18 ordenados por ano. No tempo em que a Marconi era uma “blue chip” da bolsa de Lisboa. Cada acção valia 36 contos. Em segundo lugar no concurso ficou uma rapariga, mulher de um professor universitário, ligações com o PS.

Quer um que outro, acabaram por ir parar à Marconi, mais tarde. Ela para a Direcção de Pessoal responsável pelos orçamentos. Mas quem desenvolveu a aplicação informática fui eu em Lotus 123. E fui eu que a mantive a funcionar até ao fim da Marconi. Já eu estava no Controlo de Gestão da Marconi, sem chefia e esperando ser promovido a chefe, quando o marido foi admitido directamente para ser meu chefe. A directora também tinha ligações ao PS.

Mais uma vez, quando saí dos TLP para a Marconi, levei todo o pessoal da Direcção de Planeamento para uma sardinhada na Casa da Praia. Incluindo o director. Gostou tanto da Ericeira que acabou por comprar uma casa em Mafra. Cheguei a ir lá uma ou duas vezes. Dizia-me ele depois que fizera muito mal em me vir embora. Que contava comigo. E chegou longe. Chegou a administrador da PT. Talvez tivesse feito mesmo mal…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:33

Partida para Moçambique

por António Tavares, em 06.05.17

Partida para Moçambique

Durante a especialidade em Mafra, preparei-me para fazer a admissão ao ISE. Em Julho de 1971 pedi licença para ir fazer os exames a Lisboa. Fui e fui admitido. Mas já era tarde de mais. Já não podia pedir adiamento de incorporação.

Pedi ao Mário que me arranjasse os livros pelos quais a Ana estudava (andava no ISE) para eu ir lendo em Moçambique. Arranjou-me o Pereira de Moura (era a bíblia) mais alguns livros e algumas sebentas. Foram todos roubados em Mueda.

Havia em Torres Novas um alferes que devia pesar perto de 150 quilos. Pensa-se que foi o seu peso que evitou que fosse mobilizado para o ultramar. Tinha um Fiat 600 e um gosto especial por petiscos. Quem ia com ele tinha que ocupar os bancos de trás do Fiat. A frente era só para ele.

Íamos com frequência beber uns copos a uma taberna nas Terras Negras. Com a sua bonomia era uma pessoa muito bem-disposta. Dizia que tinha por hábito fechar os olhos quando guiava a direito e que os abria sempre antes da próxima curva.

Certo dia, vínhamos das Terras Negras, abriu os olhos tarde de mais e só parámos dentro de um campo de couves. Os quatro conseguimos por o Fiat na estrada. O pior foi quando chegamos à cidade e quisemos ir meter gasolina. Saímos todos para nos limpar e quando fomos embora deixamos a bomba de gasolina cheia de terra. É que tinha chovido e, quer nós quer o Fiat, pingávamos lama por todo o lado. O homem da bomba de gasolina ainda lá deve estar a fazer barulho, neste momento…

Finda a instrução, em Março de 1972, deu-se início à preparação para embarcar para Moçambique. Todos em tronco nu, sentados num banco corrido, uma perna para cada lado, passava o enfermeiro com uma seringa enorme e dava uma espetadela em cada um. Era a chamada dose cavalar.

Era autorizado aos militares deixar cá, na metrópole, cerca de 60% do ordenado. Ia ganhar cerca de 10.000$00. Decidi deixar cá 6.500$00. Informei-me sobre que companhia de seguros fazia seguros de vida de militares que iam para o ultramar, que cobrissem o risco de morte. Só havia uma: a francesa La National Vie. Contratei um seguro, já não me lembro de que valor. O beneficiário, em caso da minha morte era o meu pai. Paguei a primeira anuidade e avisei a minha irmã Helena (era a mais velha) que tinha dado o nome dela para ficar a receber todos os meses os meus 6 contos e quinhentos e pedi-lhe para os depositar na minha conta no banco. E ela pagaria desse valor as restantes anuidades do meu seguro de vida.

Não sei como nem porquê o meu pai veio a saber que tinha dado o nome dela para ficar a receber o dinheiro. A helena disse-me que o pai não tinha ficado nada contente. Mais uma vez não me disse nada a mim. Mas para evitar confusões troquei o nome dela pelo do meu pai. Mas disse à Lena que lhe mandaria todos os anos o valor necessário para pagar a anuidade dos seguros. E mandei sempre.

Quando escrevia à mãe dizia-lhe:

- Ó mãe, olhe que o dinheiro que vocês aí recebem é do meu ordenado. Guardem-me algum para eu reiniciar a minha vida quando aí chegar.

A mãe respondia que sim. O certo é que quando cá cheguei nem um tostão tinham guardado. Quando regressei para o despachante, em pleno período PREC, entramos em autogestão. Recebi, passados uns meses uma autopromoção com retroactivos que me permitiram comprar, a pronto, um Fiat 128. Mas não tinha dinheiro para o seguro, já na altura obrigatório. Pedi à minha mãe que ao menos me ajudasse a pagar o seguro. Afinal tinham recebido 6 contos e quinhentos do meu ordenado durante 2 anos.

A mãe respondeu que o dinheiro tido ajudado este e aquele… (disse-me os nomes!), que não tinha o que lhe pedia, mas mandava o possível.

Sabes Lúcia… lembras-te de quando ias ter comigo à Marconi, ao pé da Feira Popular, a pedir que também tinha que contribuir para comprar uma televisão para os pais no Casalinho e eu dizia que não podia? Não te quis dizer, na altura, que já tinha ajudado a todos vocês o suficiente, com o meu ordenado, durante dois anos. Afinal eu fui, de todos, o que mais ajudou os pais e não só. Eu sei que o pai pensava que o dinheiro que recebia era um subsídio do estado por ter um filho na tropa. Mas não era. Era o meu ordenado. E eu disse-lhes, por carta, muitas vezes. E muito me custou, com a ajuda de pessoas que não me eram nada, conseguir ir para a tropa como oficial a ganhar mais de 10 contos por mês… em 1971…

Voltando a Torres Novas…

Comprei a revista Crónica Feminina. Publiquei um anúncio: “Alferes miliciano deseja corresponder-se com raparigas …. SPM XXXX”. Era usual os militares colocarem estes anúncios em revistas femininas, para terem amigas com quem se corresponder. Eu tinha pedido às minhas namoradas platónicas para se corresponderem comigo. Da Graça não consegui nada. A Nônô ainda me escreveu algumas vezes.

Devido às peripécias da minha chegada a Moçambique (Beira, Porto Amélia, Mueda, Hospital), só 2 ou 3 meses depois recebi as primeiras cartas. E a primeira entrega (ainda no hospital) foi um saco bem recheado de cartas. Algumas até do Brasil: Vitória, Piauí.

Não podia responder a todas. Fiz uma selecção: melhores palavras, melhores letras, melhores localizações, etc. Mesmo assim ainda respondi a algumas durante algum tempo. Depois foi a selecção natural. A cativação pelos diálogos escritos e a assiduidade. Ficou a Fernandinha (sempre lhe chamei assim), a mãe dos meus filhos e minha companheira à 42 anos.

Voltando novamente a Torres Novas…

Na véspera de embarcar para Moçambique fui ao Quartel do Entroncamento buscar um soldado que estava preso (nunca soube porquê) e que tinha sido castigado com a mobilização forçada. Partimos no dia seguinte em camiões para o aeroporto militar de Lisboa.

Fomos das primeiras companhias a embarcar nos 2 novos Boing 707 brancos da Força Aérea e não nos velhos Paquetes Vera Cruz e Funchal. Cada avião levava uma companhia inteira, mais de 300 homens.

Dos 4 Alferes que faziam parte da nossa companhia, um não compareceu ao embarque. Tinha dado baixa ao Hospital Militar Central de Lisboa. Nunca mais o vi.

Eram 10 horas da manhã. 12 horas depois estávamos no aeroporto de Luanda. Já era noite, saímos e senti, pela primeira vez, o bafo do calor de África. Umas horas depois embarcamos de novo com destino à Beira.

Depois de uns dias de descanso, de ter sido levado pela 2oposição” e pela “contra-espionagem” a fazer o tirocínio pelos bares da cidade, de ouvir e cantar o cancioneiro do Niassa várias vezes, aí vamos nós de avião (agora da DETA, companhia moçambicana) rumo a Porto Amélia.

A partir daqui iríamos embrenharmo-nos na guerra…

T Novas 3.jpg

 Eu, os meus Furriéis e os meus cabos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D