Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Quem somos. Em www.promagala.pt

por António Tavares, em 11.09.17

Quem somos

(do site www.promagala.pt)

A Promagala é herdeira da ancestral tradição de venda de artigos militares na Feira da Ladra em Lisboa.

Velha de séculos, a Feira da Ladra sempre foi conhecida pela venda de toda a espécie de bugigangas, quinquilharias, velharias e artigos militares.

O ponto alto da venda de artigos militares aconteceu durante a guerra colonial, devido ao elevado número de efectivos das forças armadas.

Era na Feira da Ladra que os soldados vinham vender os restos de fardamentos que lhes tinham sobrado após a passagem à disponibilidade e era também lá que procuravam uma ou outra peça, mesmo velha, que lhes faltava para efectuar o espólio.

Era também na Feira da Ladra que acabavam por ser vendidos muitos dos velhos artigos de fardamento vendidos nos leilões do exército, após serem reciclados e reaproveitados, tornando-se úteis para os operários e para os trabalhadores agrícolas.

As calças e os casacos eram cosidos por diversas mulheres em diversos becos e vielas de Alfama e São Vicente de Fora. Nos mesmos becos e vielas alguns operários remendavam as velhas botas com meias solas elaboradas de velhos pneus e estas partiam depois, ensacadas, de comboio, para terem uso em diversas regiões do país.

À zona da Feira da Ladra veio parar, nos longínquos anos 50 do século 20, o Sr Gervásio, sapateiro, oriundo da Roussada, Milharado, Mafra.

Aqui arranjou emprego num sapateiro com banca na entrada do prédio nº 5 da Rua de Santa Marinha. Com a reforma do patrão tomou a seu cargo a respectiva banca. Nessa banca começou a remendar as primeiras botas da tropa.

Como as vendas iam crescendo foram sendo admitidos como empregados outros sapateiros, chegando a ser mais de 20, ocupando armazéns desde o Beco do Maldonado ao Beco dos Lóios.

Na Rua de Santa Marinha acabou o Sr Gervásio por conhecer a D Palmira, oriunda da Coelhosa, Alvares, Góis, perto da Pampilhosa da Serra, zona de onde é originária a maioria da população desta zona de Lisboa e resolvem constituir família.

A D Palmira acaba por ir vender roupa usada para a Feira da Ladra, juntamente com outros familiares. Daí a vender roupa da tropa foi um passo.

Surgem entretanto problemas e o Sr Gervásio não encontra no mercado material para trabalhar. Chega a criar modelos de calçado próprios mas a sua produção e escoamento para o mercado vão sendo cada vez mais difíceis.

As dificuldades aumentam com o 25 de Abil de 1974. Os empregados vão sendo reduzidos até que se vai embora o último e o Sr Gervásio e a D Palmira acabam por ir vender fardamento e botas militares para as Feiras à volta de Lisboa: Malveira, Odivelas, Brandoa e claro, na Feira da Ladra.

Com o tempo as feiras fora de Lisboa são deixadas e ficam apenas com a venda na Feira da Ladra.

Entretanto em 1952 nascia a única filha deste simpático e trabalhador casal a Fernandinha.

Por caprichos do destino a Fernanda vem a corresponder-se com o António entretanto em serviço militar em Moçambique.

O António é Alferes Miliciano, oriundo de Cardigos, Mação. Depois da quarta classe ingressa no seminário em Coimbra, passa por Fátima até que em 1968 abandona os padres e ruma a Lisboa.

Finda a guerra colonial o António regressa ao seu emprego de Despachante na Alfândega de Lisboa. Casam em 1975. O Bruno nasce em 1977 e o Tiago em 1985.

O António percorre sucessivamente empregos nos TLP, na PT e na Marconi.

Coincide em 2000 o facto de a Marconi ser integrada na PT e o Sr Gervásio se sentir cansado para continuar com a venda na sua banca da Feira da Ladra.

O António pede a reforma antecipada na Marconi e vai acompanhar a esposa na venda de artigos militares na Feira da Ladra.

Aos poucos alargam o negócio para a venda de Botas e Fardamentos para actividades específicas: Empresas de Segurança, Desportos de Aventura, Caça, etc.

Em 2006 passam o negócio a empresa e nasce a Promagala, Lda, tendo como sócios os 4 membros da família.

Em 2007 abrem a sua primeira loja em Lisboa.

No final de 2007 criam a sua própria página na internet.

Eis-nos ............

Promagala.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52

Não quero ser vegeral

por António Tavares, em 11.09.17

Não quero ser vegetal

Depois de casado sempre vivi em comunhão com os meus sogros. Sem eles não teria nada do que que hoje tenho. Habituado a um certo nível de vida, cedo percebi que não o poderia manter sem a ajuda deles.

Quando o Bruno era pequeno fizemos imensos passeios no Fiat ou no Ford Cortina. Íamos com frequência a uma quinta nas Cardosas (Arruda dos Vinhos) cujo caseiro era cliente deles. A quinta era muito antiga, tinha pertencido ao Intendente Pina Manique. Ninguém lá morava. Tinha capela e tudo. O caseiro era o guardião. Varejava a fruta para alimentar as cabras. Trazíamos sempre o porta-bagagens cheio de peros e maçãs. Porque diziam que os cornos dão sorte, ele cortou os 2 cornos a um borrego e deu-nos. Ainda hoje nos acompanham.

Mesmo quando morávamos em Odivelas, passávamos muito tempo juntos. No natal fazíamos um presépio grande com fonte, cascata de água e moinho. Mesmo em cima de alcatifa. O Bruno não ligava muito, nem às prendes. Depois de as desembrulhar todas ia buscar 2 tampas de tachos da cozinha e aparecia ao pé nós a bater com elas.

Naquele tempo era usual ter as casas alcatifadas e as paredes revestidas a papel. E papel de veludo. Bom para acumular pó. O Bruno sofria de bronquite. Tomou vacinas semanais importadas de Barcelona até aos 13 anos. Quando era pequeno e já dormia no quarto dele, levantei-me muitas noites mal o ouvia começar a tossir, para pegar nele. Chegados ao átrio era certo e sabido que ia vomitar tudo em cima da alcatifa. Lavei muitas vezes a alcatifa à 1 ou 2 da manhã. A solução acabou por ser eu dormir sentado com ele ao colo para ele encostar a cabeça no meu ombro. E depois eu ia trabalhar e depois eu ia para a faculdade e depois eu ia fazer reuniões de trabalho com os colegas da faculdade e depois a Fernanda não queria que eu fosse para casa deles (preferia fazer o almoço em nossa casa para todos). Eles também se chateavam de vir sempre para nossa casa…

A Fernanda vinha com o Bruno na carreira à quarta-feira para almoçarmos todos em Lisboa em casa dos avós. Depois passamos mesmo a dormir lá em casa. Quando terminámos a Casa da Praia começamos a quase não ir a Odivelas. Estávamos de semana em casa dos pais da Fernanda e ao fim de semana íamos para a Ericeira.

Entretanto nasceu o Tiago. Não tínhamos condições de morar mais em casa os meus sogros. O meu sogro decidiu vender a casa de Odivelas e comprou uma (velhinha) na Rua da Graça. Ainda hoje o Tiago lá vive com a Diana.

Para poder manter o nível de vida que levávamos fui sempre dizendo à Fernanda que me queria reformar cedo. Podíamos dar continuidade ao negócio dos avós e ficávamos com algum tempo mais para aproveitar a Casa da Paria.

Eles vendiam fardamentos e artigos militares em feiras. Por fim apenas na feira da Ladra. A partir de certa altura a saúde deles já não permitia que fizessem a feira, sozinhos. Eu ia (já lá vão muitos anos quando isto começou) às terças e aos sábados, às cinco horas da manhã, ajudar a montar a barraca e depois ao fim do dia ia ajudar a levantar. Depois a Fernanda passou a ir ajudar a fazer a venda aos sábados. Depois passamos nós a ir para a feira apenas os dois.

Ficámos com o armazém que o meu sogro tinha no Beco dos Lóios, que eu tentei “transformar” em loja e onde eu estava nos dias em que não havia Feira da Ladra. Mas como o sítio é muito escondido, cedo percebi que não servia para o efeito. Decidimos então abrir a Loja Promagala na Rua da Verónica. E quando a senhoria do armazém quis aumentar muito a renda, entregámo-lo.

Acompanhei a vida dos meus sogros muito de perto. Foram muito mais que pais, para mim. O meu sogro tinha uma religiosidade muito própria. Não frequentava a igreja mas acreditava que algo nos governava. Quando a Fernanda partiu a perna ofereceu o peso dela em trigo à N. Srª do Socorro (Enxara dos Cavaleiros, perto da terra dele: Milharado). Ainda lá fui com ele entregar o saco de trigo.

Acreditava no além e não queria, por nada ir para debaixo da terra. Construiu no cemitério do Milharado um jazigo para a família. Oito assoalhadas. Queria garantir lugar para todos até aos netos e suas companheiras. Está lá ele e sua esposa.

Depois de ele falecer a D Palmira veio viver para nossa casa. Como era relativamente saudável e trabalhadora, ainda nos foi muito útil antes da doença a deitar abaixo. Levantava-se noite. Um dia partiu a cabeça ao cair da cama. Fomos obrigados a dormir (eu e a Fernanda) aos bocados num cadeirão ao lado dela, para a segurar. Teve uma embolia pulmonar. Esteve internada na CUF quase 15 dias entre a vida e a morte. Durou mais uns 10 anos.

Eu ia para a loja. Aos sábados e terças-feiras ia para a Feira da Ladra. Por fim já não conseguimos ninguém que ficasse em casa com ela. Eu tinha que estar em casa de manhã, ao meio dia e à noite, para a levantar, sentar na cadeira e ajudar a Fernanda na higiene e na alimentação. Nos últimos cinco anos esteve como um vegetal. Sem falar e sem qualquer reacção.

Entretanto, fui um dia buscar o Torpes a casa dele, como de costume, para passar a tarde connosco na loja. Deu-me um esticão, caí pelas escadas abaixo, parti um pulso e úmero em 3 sítios. Fui operado na CUF. Puseram-me ferros pelo braço abaixo e 8 parafusos. Fiquei com os movimentos do braço reduzidos. Estive mais de 3 meses sem ir para a Feira da Ladra. O fiscal insistia que ou eu ia ou desistia. Os outros feirantes reclamavam.

Fiz contas e desisti.

A Fernanda bem ralhou comigo. Que podia continuar a fazer a feira. Mas como, se eu tinha que ir a casa ao almoço para levantar a avó e ajudar? Que na feira é que se ganhava dinheiro!

Passados 2 ou 3 meses de eu desistir da Feira da Ladra a avó chegou ao fim dos seus dias. Aguentou até aos 100 anos, 1 mês e 1 dia. E no dia em que faleceu ainda tomou o pequeno-almoço. Lá está, a ocupar o seu espaço, ao lado do Sr Gervásio no jazigo do cemitério do Milharado.

Pois eu espero não dar trabalho a ninguém. Fica aqui escrito: não quer viver vegetal. Se estivar ligado a uma máquina quero que a desliguem. Quero ser cremado. Quero que as minhas cinzas voem com o vento… se possível por cima do mar da Ericeira.

Torpes.jpg

Torpes Freud

É este o malandro do cão, açoreano de uma figa, que me puxou por umas escadas abaixo e me partiu um braço em 4 pedaços...

Mas está desculpado.

Feira da Ladra2.jpg

 A nossa banca de artigos militares na Feira da Ladra. Foi a turista que me tirou a foto e que a mandou depois por mail.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

Roubaram a minha filha

por António Tavares, em 19.07.17

Roubaram a minha filha

A Fernanda fazia parte da meia dúzia (menos…) das raparigas que se mantiveram até ao fim da minha comissão militar, como minhas correspondentes. Era de longe aquela com quem mais me correspondia e mais desabafava. Já quase nos correspondíamos como namorados.

Até que algures ali pelo início de Janeiro de 1974 deixei de receber cartas dela. Todos os dias lhe escrevia e nada de respostas. E logo agora que acabara de comprar um conjunto de caneta e esferográfica para lhe enviar pelos anos, com o nome dela gravado e tudo. Parece que o mundo todo se estava a desmoronar.

Até que passado algum tempo lá veio uma carta. Abri-a a medo. Temia a resposta. Afinal os meus medos eram infundados. Ela tinha sido atropelada na Av. da Liberdade quando regressava da faculdade, tinha partido uma perna e estava em casa à espera de ser operada.

De um receio passei para outro: do medo de me ter esquecido, mudei para o medo de que algo pudesse correr mal com ela…

O resto do tempo, Janeiro a Maio, passei-o com muita ansiedade.

Assim que regressei a Lisboa telefonei-lhe e combinamos um encontro em casa dela, para o primeiro domingo que foi possível. Saí do comboio no Rossio e comprei-lhe um ramo de rosas vermelhas. Subi a pé a Rua dos Cavaleiros até ao número 5 da Rua de Santa Marinha, 4º andar esquerdo.

Fui recebido em festa. A Dona Palmira esmerara-se a limpar a casa e a preparar uma refeição ligeira.

A Fernanda tinha sido operada. Tinham-lhe colocado uma barra de metal no interior do fémur partido, com um pedaço de fora na anca, para mais tarde ser puxado e retirado. Aos poucos já se levantava e sentava. Mas estava renitente em descer as escadas, mesmo apoiada nas bengalas.

Como trabalhava no Campo das Cebolas e saía às 18 horas, passava quase sempre pela Rua de Santa Marinha. Fazia-lhe companhia, acabava por ficar até ao jantar e só depois seguia para Queluz de comboio. Aos domingos lá vinha eu depois do almoço com um ramo de rosas vermelhas comprado no Rossio. Aos poucos passei a vir almoçar todos os domingos.

A Olga (uma amiga da Fernanda – acabou por vir a ser a madrinha do Bruno) tinha uma filha pequena (Alice) e um Mini. Começamos a levar a Fernanda a dar uns passeios de carro. Depois eu comprei um Fiat 128. Agora já podia levar a Fernanda a passear. Ao princípio a Olga ia connosco. Os pais dela tinham mais confiança e ela sempre ajudava a descer as escadas e nos passeios a pé.

Certo dia diz-me a D Palmira:

- Você foi um anjo que nos apareceu. Cheguei a pensar que ela não ia sair mais de casa.

O sr Gervásio gostava de conhecer a minha família. Lá fomos num domingo até Cardigos conhecer o sr José Maria e a D Delfina. Já todos os meus irmãos se encontravam em Lisboa, pelo que só foram conhecer os meus pais. No regresso a Lisboa fizemos um desvio pelo Gavião onde fomos conhecer o Padre Alberto (superior do seminário local). Ele era um dos dois padres do Casalinho e tinha mantido uma certa simpatia comigo, sempre que ia lá de férias. O irmão (padre Serafim) era pároco em Tolosa (Alentejo).

Os pais da Fernanda tinham-lhe comprado um andar em Odivelas. Passou a ser também um dos nossos passeios de Domingo, ir até Odivelas.

Os pais da Fernanda eram feirantes e faziam feiras em 2 domingos por mês. Nesses domingos em que eles iam para a feira ficava lá em casa a tia Hortense, para tomar conta da Fernanda e nos fazer o lanche. Nos outros domingos íamos os quatro dar uma volta: Mafra, Ericeira e voltávamos por Odivelas. Primeiro na carrinha Austin do sr Gervásio, depois no meu Fiat 128.

Quando acontecia ser feriado em dias de feira nós metíamo-nos nos transportes e íamos ter com eles. Fomos algumas vezes ter a Odivelas à feira do sr Roubado, à segunda-feira. Voltávamos todos no Austin mini. Juntamente com as madeiras da bancada (no tejadilho) e com os artigos da venda na parte de trás.

Nessa altura estava a ser construída a Calçada de Carriche no local por onde ela passa hoje. A descer ia-se pela estrada do desvio, mas a subir era por aquela azinhaga velhinha que em parte ainda lá está. Na altura toda aquela subida nova era (e foi muito tempo) ainda de terra batida. O sr Gervásio acelerava a fundo cá em baixo para subir, mas, na maioria das vezes, o mini parava a meio. Não aguentava. Saíamos os três (eu a Fernanda e a mãe) e tínhamos que empurrar até ao cimo da ladeira.

Mais tarde, já casados, o sr Gervásio trocou o Austin por uma carrinha Ford Cortina. Mesmo assim íamos muitas vezes ter com eles à feira da Malveira (no nosso carro), ou à feira da Brandoa, aos domingos no regresso da Ericeira.

Certo dia, vindo eles da feira da Malveira à quinta-feira, foram ter connosco à casa de Odivelas. Jantaram e porque estavam cansados ficaram lá a dormir. O carro carregado ficou estacionado mesmo à porta. Hora a hora a D Palmira levantava-se para ver se estava tudo bem. E esteve até às 5 horas da manhã. Nessa altura foi à janela e viu o carro assaltado e as botas da venda espalhadas pelo chão.

Levantamo-nos a correr e fomos participar à esquadra da polícia.

Depois eles vieram para Lisboa e foram ter com um sujeito quem, mesmo deficiente e em cadeira de rodas, parece que chefiava um gang e costumava parar numa tasca do Largo Rodrigo de Freitas, perto da casa deles. Diz-lhe ele:

 - Botas? Em Odivelas? Já sei, foi o Zé Luis da Brandoa. Deixe estar que amanhã falo com ele.

E falou e ainda conseguiu trazer alguns pares de botas.

- Olhe sr Gervásio, foi o que ainda consegui. O resto já ele tinha vendido.

Passado uns meses o sr Gervásio foi chamado a esquadra de Odivelas para ser informado que o ladrão não tinha aparecido e que iam arquivar o processo.

- Deixem lá, não faz mal. Já consegui recuperar o que foi possível.

Embalado deixei-me levar pelas recordações. Vamos voltar à narrativa onde íamos…

Aos poucos fui ficando íntimo da família Cardoso. Ofereci um anel de noivado à Fernanda e pedia-a em casamento. Fui aceite. Combinamos o casamento para Agosto de 1976. Assim os passeios de Domingo passaram a servir para visitar a casa de Odivelas e ir combinando a compra das mobílias. O Sr Gervásio comprara a casa pagou toda a mobília.

Aconteceu que o escritório do despachante entrou em autogestão. Estávamos em pleno PREC (período revolucionário em curso) pós 25 de Abril. Tinha sido eleita uma comissão de trabalhadores. O Manel Lopes, Chefe do Grupo Desportivo, foi o eleito. Foi nomeada uma Comissão de Gestão. O meu primo Manel de Moura apoiou-nos. Como era o braço direito do patrão, foi nomeado para a gerência. Já havia antes distribuição de lucros pelos empregados, segundo os critérios que o patrão entendia. Sempre os recebi. Mas nós exigimos acesso às contas e distribuição de lucros igual para todos. Quando, anos mais tarde, tudo isto reverteu, os mais envolvidos nisto tudo foram os mais prejudicados. Eu e o Manel Lopes incluído. Nunca mais recebi lucros e o patrão nunca mais perdoou ao seu braço direito (o meu primo Manel de Moura) a sua traição.

Chegados a Março havia que marcar as férias. Todos queriam os melhores meses. Não ouve consenso. Decisão da comissão de gestão: as férias são gozadas obrigatoriamente entre os meses de Maio a Outubro (segundo a lei) e escolhidas por sorteio.

Tínhamos decidido casar em Agosto e para espanto de tordos cai-me em sorteio o mês de Maio para férias.

Já no ano seguinte (1977) foi decidido anular o sorteio e fazer uma escala para cada um escolher, mediante alguns critérios. Os primeiros a escolher foram os que tinham ido de férias em Maio e Outubro, depois os que foram em Junho e Setembro. Por fim os de Agosto. Nesse ano é claro que eu escolhi Agosto. Naqueles tempos havia a tradição de se gozar um mês seguido de férias.

Mas voltando atrás. Diz o sr Gervásio:

- Não faz mal. Casam em Maio.

Marcamos casamento para o início do mês.

Igreja dos Jerónimos, Copo de água no restaurante Cozinha Velha do palácio de Queluz. Estava tudo combinado quando me deu o badagaio, 15 dias antes da boda, que me levou a ser operado ao apêndice, já com a infecção a passar a peritonite. Foi necessário negociar o adiamento para o dia 18 de Maio. Conseguiu-se. Mesmo acabado de sair do hospital de ser operado, lá casámos.

Eu não assisti. Mas conta-se que a saída da Fernanda de casa dos pais fez furor. À porta do nº 5 da Rua da Santa Marinha um Rolls Royce dos anos 20 descapotável. No átrio da escada jarrões azuis com plantas. O trânsito cortado. Todas as janelas tinham curiosos à espreita.

Dizia depois o primo Vicente do Milharado, sobrinho do Sr Gervásio:

- A Fernandinha podia ter arranjado um carro mais bonito… foi arranjar um carro tão velho…

Eu fui levado no meu Fiat 128 pelo Carlos (marido da minha irmã Helena – meus padrinhos) de Queluz aos Jerónimos. Entrei pela passadeira vermelha até ao altar. Quem casou depois de nós ainda beneficiou: pagámos a passadeira vermelha, as flores e a música. Eles entraram a seguir.

Depois da cerimónia lá fomos para almoçar. Os convidados seguiram nos seus carros. Nós atrás no Rolls Royce. Quando chegamos a Queluz já havia pessoas a querer voltar atrás à nosso procura. É que o velho Rolls Royce viu-se negro para subir os Cabos Ávila.

Almoço fino. Uns camarões à não sei quê, um pato com qualquer coisa. Tudo contado e medido. O sr Gervásio tinha entregado um cheque assinado ao sr Vidal para no fim pagar a conta. Quando vieram os whiskies o sr Gervásio reparou que os empregados os estavam a racionar para não exceder as garrafas combinadas. Chamou um empregado e disse:

- Coloque aqui várias garrafas. No fim pagam-se as que se beberem.

Acabado o repasto e as fotografias, a tia Alice e o Cabral, juntamente com outras pessoas, foram comer sandes para uma tasca que havia em frente.

- Esta comida não é para nós!

Nós não esperamos pelo fim da festa. Mudamos de roupa e fugimos para a casa de Odivelas.

Parece que a D Palmira fez algum banzé:

- Roubaram a minha filha!

Tudo acabou em bem.

No dia seguinte rumámos ao Algarve. Sem nada marcado. Assentámos arraial em Faro e por lá andámos cerca de 10 dias. Até o dinheiro acabar. Não havia multibanco na altura.

No regresso almoçámos em Castro Verde. Pedimos bifes. Acho que pouco mais havia. Mas ao fim de 45 minutos de espera fomos obrigados a chamar o empregado. Que fizesse a conta ao que já tínhamos comido… que não podíamos esperar mais…

Fernanda1.jpg

Era linda ... a minha namorada!

Fernanda Bengala1.jpg

 Os primeiros passeios com a Olga e com a bengala!

Odivelas1.jpg

Na casa de Odivelas. O Bruno ao cola da mãe.

Odivelas2.jpg

Na casa de Odivelas. O presépio que tinha um rio a correr e uma azenha.

Rolls 3.jpg

O pai da noiva a pegar-lhe para a levar ao altar. O medo de sair do Rolls Royce era tanto que até o motorista estava atento.

Depois já casados.

Jerónimos1.jpg

Enfim... já casados.

Penina.jpg

Lua de mel no Algarve. Uma selfie tirada nos jardins do Hotel Penina.

Cheiras acácias e rosas.jpg

Lua de mel no Algarve. Cheirar rosas e acácias na serra de Monchique.

Presunto grelhado.jpg

Lua de mel no Algarve. Aqui comia-se presunto grelhado e bebia-se Schweppes Maracujá. E fumava-se SG Gigante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:41


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D